Visão geral

O setor diagnóstico de Motilidade Gastrointestinal conta com os melhores exames para investigação de patologias do aparelho digestivo. No Sabará Hospital Infantil são realizados os seguintes exames:

  • pH-Metria Esofágica: é um exame que mede o pH esofágico. Serve para detectar os episódios de refluxo ácido do estômago para o esôfago. Na maioria das vezes, é utilizado para investigar doença do refluxo gastroesofágico. Pode ser realizado em todas as idades, inclusive em recém-nascidos. Para realizar este exame, é introduzida uma sonda pelo nariz da criança, que ficará 24 horas fazendo o monitoramento do pH esofágico.

 

  • Impedâncio-pH-Metria esofágica: é um exame que também mede o pH esofágico, porém é mais completo, pois permite detectar os episódios de refluxo ácido do estômago para o esôfago, além de medir também o refluxo proximal (refluxo que atinge todo o esôfago). É utilizado para investigar doença do refluxo gastroesofágico, podendo ser realizado com a criança em uso de medicação para refluxo gastroesofágico. É considerado o melhor exame no diagnóstico de doença do refluxo gastroesofágico em lactentes. Apenas dois hospitais em São Paulo realizam este exame em crianças. O Sabará Hospital Infantil dispõe de um equipamento importado de última geração, reconhecido como um dos melhores aparelhos de impedâncio-pH do mundo.

 

  • Manometria Esofágica: avalia a motilidade do esôfago, indicada para crianças com disfagia (dificuldade para engolir). Embora possa ser realizado em crianças menores, a recomendação é que seja feita só depois dos dois anos de idade, pois é necessário contar com a colaboração do paciente durante o exame para realizar determinadas ações, como engolir água.

 

  • Manometria anorretal: indicada para quadros graves de constipação intestinal crônica (“intestino preso”) e/ou incontinência fecal (que perdem fezes sem sentir). Permite pesquisar se a criança tem o reflexo inibitório reto-anal (reflexo da evacuação).

Raio X contrastado

  • Estudo contrastado de esôfago-estômago-duodeno – EED: avalia o tamanho, a forma e a funcionalidade do esôfago, estômago e uma porção do intestino delgado. É indicado principalmente em casos de distúrbios digestivos em que se quer afastar alterações anatômicas (como refluxo gastroesofágico ou vômitos).
  • Enema opaco: avalia o intestino grosso (cólon) e o reto. O exame é indicado na grande maioria dos casos para crianças com constipação (intestino preso), mas também pode ser indicado em alguns casos de diarreia crônica, sangramento nas fezes ou dores abdominais crônicas.
  • Trânsito intestinal: avalia todos os segmentos do intestino delgado até o início do grosso. Pode ser realizada para avaliar a morfologia do intestino e a sua funcionalidade, que podem estar alteradas em casos de diarreia, constipação, dores abdominais recorrentes ou vômitos.
  • Esofagograma ou estudo contrastado do esôfago: avalia o esôfago, que é o tubo que conecta a boca ao estômago. Pode ser realizado para avaliar o tamanho e a forma do órgão, ou para pesquisa de distúrbios digestivos (como refluxo gastroesofágico).

Conheça o time

Contamos com duas equipes para realização de exames de motilidade gastrointestinal: uma responsável pelos exames de Motilidade Digestiva Alta (pH-metria Esofágica, Manometria Esofágica e Empedâncio-pH-metria) e uma de Motilidade Digestiva Baixa (Manometria Anorretal). Além disso, há a equipe de radiologia, que realiza os exames de Raio X contrastado.

 

Ana Cristina Fontenele Soares

Pediatra e gastroenterologista, é responsável pelos exames de Motilidade Digestiva Alta no Sabará Hospital Infantil; Médica Assistente Doutora da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina; preceptora dos Residentes do Programa de Gastroenterologia Pediátrica da UNIFESP; responsável pela realização dos exames de Motilidade Digestiva Alta da UNIFESP.

 

Soraia Tahan

Pediatra e gastroenterologista, é responsável pela realização de exames de Manometria Anorretal; professora adjunta do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo- Escola Paulista de Medicina); vice chefe do Departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo; vice chefe da Disciplina de Gastroenterologia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo;  é referência para realização deste exame em crianças.

Qualidade e segurança

Todos os exames são realizados por um médico e uma enfermeira treinados.

Para realização dos exames de pH-metria e Impedâncio-pH-metria são utilizadas sondas novas para cada paciente. Após o exame essas sondas são descartadas.

Para realização destes exames seguimos os protocolos recomendados pelas Sociedades Norte Americana e Europeia de Gastroenterologia Pediátrica (NASPGHAN e ESPGHAN).

Números

São realizados mais de 1000 procedimentos por ano, entre Raios X contrastados, Endoscopias Digestivas Alta e baixa, pH-metrias, Impedâncio-ph-metrias, Manometrias Esofágicas e anorretais.

Informativos para os pais

Os três exames de motilidade digestiva alta (Manometria Esofágica, pH-metria e Impedâncio-pH-metria) envolvem a passagem de uma sonda pelo nariz sem sedação. A passagem é rápida, não é dolorida, mas pode ser incômoda.

A sonda ficará 24 horas realizando o monitoramento do pH (nos casos da pH-metria e impedâncio-pH-metria). Neste período, a criança ficará internada e pode se alimentar normalmente.

No caso da manometria, a sonda permanece apenas 15 minutos monitorando o paciente, porém é um exame que exige a participação da criança, por isso não é recomendado realizá-lo em bebês abaixo de 2 anos.

Durante a passagem da sonda, pode haver náusea ou vômito. Para evitar o perigo de aspiração, recomenda-se jejum.

Veja o preparo necessário para realização de pH-metria 

Veja o preparo necessário para realização de Manometria esofágica 

Veja o preparo necessário para realização de Impedâncio-pH-metria 

Veja o preparo necessário para realização de Manometria anorretal 

Compartilhe sua experiência




Condições e tratamentos

 

Sintomas extra-digestivos que o médico pode encontrar relação com a doença do refluxo:

  • Tosse;
  • Otite de repetição;
  • Laringite de repetição;
  • Dor abdominal.

Autor: Equipe Sabará

Atualizado em: 06/8/2017