Criança asmática pode fazer atividade física?

 

Nesta semana, tivemos a triste notícia da morte de um menino de 14 anos, na quadra de seu condomínio no interior de São Paulo, por falência respiratória, edema agudo de pulmões, esforço físico em esporte e asma brônquica crônica.

Afinal, criança asmática pode fazer atividade física?

Pode e deve. Assim como todas as crianças, as asmáticas se beneficiam das atividades físicas, que possibilitam um bom desenvolvimento músculo-esquelético e a aquisição da habilidade motora, um estilo de vida saudável e a inclusão social, melhorando a autoestima e a qualidade de vida. Ter hábitos de vida saudáveis e um bom condicionamento físico na infância são decisivos para uma boa aptidão física na vida adulta. Porém, crianças asmáticas precisam praticar atividades físicas com acompanhamento e adequada medicação.

 

Broncoespasmo induzido por exercício

De 50% a 90% das crianças e adolescentes asmáticos têm esse diagnóstico: “Broncoespasmo induzido por exercício”, que é a obstrução dos brônquios associada à atividade física, e costuma ocorrer logo após a interrupção do exercício. Seus sintomas são tosse, chiado, aperto no peito, dispneia ou aumento da produção de muco. A intensidade varia conforme alguns fatores, como umidade do ar e gravidade da asma.

Muitas vezes, o diagnóstico é clínico, mas o ideal é realizar um teste em laboratório para confirmação, chamado broncoprovocação com exercício físico, em que o paciente faz uma atividade física controlada, geralmente correr em esteira ou pedalar em bicicleta ergométrica.

É preciso diagnosticar corretamente quem possui esse diagnóstico para não limitar a atividade física em qualquer criança asmática. Crianças que possuem o broncoespasmo induzido por exercício precisam ser adequadamente tratadas e seus exercícios, controlados. O broncoespasmo pode ser consequência da doença mal controlada, exigindo uma maior intensidade de tratamento profilático, por exemplo com a utilização de corticosteroides inalados.

Já aquelas que não possuem o diagnóstico de broncoespasmo induzido por exercício, podem e devem realizar livremente atividades físicas. É comum que crianças asmáticas deixem de praticar exercícios físicos, mesmo não possuindo esse diagnóstico, por falta de informação.

É provável que as crianças, os pais e os educadores interpretem sintomas produzidos pelo esforço físico devido à falta de condicionamento cardiovascular como sendo oriundos da asma, resultando em evasão à prática de exercício quando, na realidade, a carência de atividade física é a causa do problema.

 

Benefícios da atividade física para asmáticos

Crianças com asma e outras doenças crônicas se beneficiam da atividade física regular: há redução da frequência de sibilos, do número de hospitalizações e absenteísmo escolar, diminuição das consultas médicas não agendadas e necessidade de medicações para controlar a asma, perda de peso nos obesos com redução dos sintomas, promoção do bem-estar psicológico, proteção contra o risco aumentado de osteoporose associado à prolongada terapia com esteróide e melhora no controle da asma.

Com tantos benefícios físicos, psicológicos, sociais e terapêuticos, crianças e adolescentes asmáticos devem ser incentivados a realizar atividade física regularmente. Para garantir a segurança, precisam ser medicados e acompanhados adequadamente.

Com o devido controle, crianças asmáticas poderão participar de esportes e brincadeiras, que são atividades essenciais para seu desenvolvimento.

 

Com informações da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI)

Autor: Mariana Setubal

Atualizado em: 10/10/2019