Sarampo: saiba como proteger o seu filho

Após receber dezenas de casos suspeitos da doença em menos de dois meses, o Sabará Hospital Infantil reforça alerta aos pais e familiares sobre a importância da vacinação e os cuidados necessários para a proteção dos pequenos. Em junho, foi realizado o primeiro diagnóstico de Sarampo no Hospital e, desde então, o número de casos suspeitos aumentou, principalmente devido à atual situação epidemiológica do crescimento de casos na cidade de São Paulo. Segundo o NUVE – Núcleo de Vigilância Epidemiológico do Hospital das Clínicas, existe um aumento no número de casos notificados no município de São Paulo, com 274 confirmações até o dia 11/07 e 479 casos em investigação, sendo que quase a totalidade dos casos foi notificada no último mês. Outro dado relevante do NUVE é que quase a metade dos casos confirmados até o momento é da faixa etária entre 15 e 29 anos de idade.

O Sabará recebeu 20 pacientes com esta hipótese diagnóstica no período: 01/06 a 12/07, sendo oito casos positivos, dos quais três foram confirmados pelo Instituto Adolfo Lutz até o momento, quatro casos descartados e oito ainda estão em investigação. Entre os casos confirmados, cinco deles tinham entre 8 e 11 meses e não estavam vacinados e três crianças com mais de 12 meses: uma sem vacinação, uma com apenas uma dose e a terceira com as duas doses da vacina tríplice viral respectivamente.

O que é o sarampo
O sarampo é uma doença viral altamente contagiosa, causada pelo vírus Morbillivirus e transmitida diretamente de pessoa para pessoa, geralmente por tosse, espirros, fala ou respiração. Ele também pode ser transmitido por secreções respiratórias ou gotículas com partículas virais que se espalham no ar, principalmente em ambientes fechados e sem ventilação.

Conheça os sinais e sintomas
É uma doença caracterizada por febre alta, coriza, tosse e irritação ocular (conjuntivite). Depois de dois a quatro dias de febre, aparecem manchas avermelhadas na pele, que, geralmente, se iniciam na cabeça e vão progredindo para o pescoço, tronco, braços e pernas. O risco de contágio ocorre desde quatro dias antes do aparecimento das lesões de pele até quatro a cinco dias após o seu surgimento.

A doença pode se agravar, com o acometimento do sistema nervoso central e infecções secundárias como pneumonia, podendo levar à morte. Essas complicações são maiores em crianças abaixo de 5 anos, como recém-nascidos, portadores de imunodeficiências e adultos maiores de 20 anos.

O que você pode fazer
Se o seu filho tiver contraído sarampo, você deve mantê-lo em casa, longe da escola ou creche. Sobretudo, certifique-se de que ele fique longe de outras crianças e grávidas que possam não ter sido imunizadas contra a doença.

Prevenção
A única forma de prevenção da doença e bloqueio da progressão dessa epidemia é a vacinação. Ela é indicada aos 12 meses de vida (tríplice viral), com a segunda dose aos quinze meses de idade (tetra viral). Além disso, adolescentes e adultos jovens também devem tomar a vacina, caso não tenham duas doses comprovadas. Atenção especial deve ser dada aos profissionais da saúde que, diariamente, estão envolvidos no cuidado com pacientes.

Quando chamar o pediatra
Se o seu filho apresentar sintomas comumente associados ao sarampo, entre em contato com o pediatra imediatamente. Discuta com ele a melhor maneira de manter seu filho sem infectar outras crianças e adultos. Se o seu pediatra confirmar o diagnóstico de sarampo, ele irá notificar a vigilância epidemiológica local, que tomará medidas para evitar a disseminação da doença na comunidade.

 

Autor: Vanila Pontes

Atualizado em: 05/8/2019