Dezembro Vermelho e a prevenção de acidentes

Acidentes estão entre as principais causas de mortalidade na infância e adolescência. É por isso que a Sociedade de Pediatria de São Paulo realiza a campanha Dezembro Vermelho: Prevenção de Acidentes na Infância e Adolescência. O objetivo é chamar a atenção para as formas de prevenção e, assim, diminuir as mortes e/ou sequelas destes acidentes.

No Pronto-Socorro do Sabará Hospital Infantil, o acidente mais comum entre os pacientes são as quedas de cama, que acontecem com mais frequência em crianças de até um ano, com risco de fratura e traumatismo craniano. Para saber se é preciso procurar ajuda médica, observe se a criança apresenta alteração em seu comportamento habitual, vômitos, sonolência, irritabilidade ou se há cortes que não param de sangrar. Nesses casos, procure imediatamente o pronto-socorro.

“Inicialmente, o médico fará um exame físico, com atenção especial à parte neurológica. Caso haja indicação ou necessidade, exames de imagem são realizados”, explica a pediatra do Sabará Dra. Célia Bocci da Silva.

A maioria das lesões são preveníveis, é preciso atenção e alguns cuidados para evitar quedas:

 

  • Berços devem ser regulados: conforme seu filho começa a ficar em pé e se apoiar nas laterais, posicione a grade acima da linha dos mamilos.
  • Não deixe seu filho na cama ou na cômoda sozinho.
  • Retire tudo que puder servir de apoio.
  • Se ele já cresceu demais, é hora de passá-lo para a cama, de preferência com grade de proteção.
  • Proteja escadas com grades.
  • Ensine que seu filho não deve subir na privada com a tampa fechada, pois ela pode se quebrar.
  • Por último, a regra mais importante: um adulto sempre por perto e sempre atento.

 

Para prevenção de outros acidentes comuns na infância, como afogamentos e ingestão de corpos estranhos, fique atento a essas dicas:

 

  • Crianças pequenas NUNCA devem ser deixadas sozinhas ou sob os cuidados de outra criança NEM POR UM MOMENTO enquanto estiverem nos seguintes locais ou próximos a eles: banheiras, piscinas, lagoas etc.
  • A água deve ser esvaziada de recipientes como baldes imediatamente após o uso.
  • Travas nos banheiros podem ser úteis.
  • Sempre que bebês e crianças estiverem dentro ou em volta de uma piscina, um adulto supervisor com habilidades de natação deve estar a uma distância de um braço. Mesmo com crianças mais velhas e melhores nadadores, os olhos e atenção do supervisor adulto ainda devem estar constantemente focados na criança.

 

  • Crianças pequenas não devem ter acesso a brinquedos destinados a crianças maiores.
  • Não deixe moedas, joias, agulhas e outros objetos pequenos ao alcance de crianças menores de 3 anos.
  • Não deixe que crianças brinquem com sacos plásticos e balões de borracha sem supervisão direta.
  • Não deixe aparelhos elétricos ou que contenham pilhas ou baterias em forma de disco ao alcance de crianças pequenas.
  • Os alimentos devem ser cortados, partidos ou triturados em pedaços de tamanho pequeno.
  • Crianças abaixo de 5 anos devem ser alimentadas sob supervisão direta dos pais ou cuidadores.
  • Não dar alimentos como sementes e grãos (amendoim, milho, feijão), assim como balas duras, para menores de 5 anos.
  • Evitar que as crianças usem joias, medalhas, broches, correntes, berloques, prendedores de chupeta, que possam se soltar e serem ingeridos.
  • Ensinar as crianças que não devem colocar objetos em geral na boca.
  • Evitar que as crianças corram, riam ou chorem com comida na boca.
  • Os pais devem conhecer as manobras de retirada de corpo estranho e de ressuscitação.

 

Fontes: Academia Americana de Pediatria; Sociedade de Pediatria de São Paulo

Autor: Mariana Setubal

Atualizado em: 03/12/2019