Visão geral

O serviço de Qualidade e Segurança Assistencial idealiza e controla planos de ação que garantam a segurança do paciente e a qualidade do serviço prestado pelo Hospital.

De tropeços de pacientes à lavagem de mãos e uso de álcool-gel nas dependências do Hospital, a equipe de qualidade, formada por cinco profissionais, transforma tudo em estatísticas e protocolos, sempre buscando prevenir os chamados “eventos adversos” e corrigir falhas existentes.

Essa equipe trabalha com o que chama de gerenciamento de risco. Primeiro, de maneira preventiva, faz um mapeamento dos perigos, estabelece a gravidade deles e propõe medidas para evitar que levem a danos. Todos os riscos são classificados numa escala que define as prioridades de ação.

Se alguma falha já ocorreu, trabalha-se de maneira reativa, ou seja, a equipe de Qualidade entra em ação para analisar o que aconteceu e trabalhar para impedir que aconteça novamente.

  • Auditorias

Para verificar se todos os processos estão sendo feitos da maneira correta, existem as auditorias internas. Há um grupo de auditores internos, coordenados pela equipe de Qualidade, que é responsável por isso.

JCI

A Joint Commission International é uma organização que faz a acreditação das melhores organizações de saúde do mundo. No Brasil, apenas 28 hospitais são acreditados e o Sabará está entre eles, desde julho de 2013 (em 2016, obteve a reacreditação).

Depois da acreditação inicial, a JCI continua a trabalhar com as organizações para ajudá-las a manter o selo de qualidade e permanecer atualizadas, melhorando continuamente seus serviços de saúde.

A equipe de Qualidade e Segurança Assistencial é encarregada de instaurar no Hospital as normas de qualidade da JCI, mantendo-se sempre atualizada sobre as melhores práticas.

Conheça o time

Francisco Ivanildo de Oliveira Junior

Gerente de Qualidade Assistencial e do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), fez Residência Médica em Doenças Infecciosas e Parasitárias no Instituto de Infectologia Emílio Ribas e Mestrado na mesma área pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Tem pós-graduação em Administração Hospitalar pelo Centro Universitário São Camilo.

 

Lívia Inês Dal Fabbro Nagata – enfermeira pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Pós-graduada em Gestão Hospitalar pela UNIFESP e Docência pelo Instituto Educacional de São Paulo (INTESP). Supervisora da qualidade assistencial com atuação em gestão de riscos, qualidade e segurança, gestão de processos e padrões internacionais de qualidade preconizados pela Joint Commission Internacional (JCI).

 

Flávia de Cássia José Russo – enfermeira pela Universidade Bandeirantes de São Paulo. Pós-graduada em Pediatria pelo Instituto da Criança – FMUSP.

 

Gisely Morelli Schrot – enfermeira pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Pós-graduada em Gestão da Qualidade pelo Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein. Responsável pelo gerenciamento de protocolos clínicos e gestão da qualidade (auditorias internas e externas, gestão de indicadores de qualidade e segurança e manutenção da conformidade com padrões internacionais).

 

Robson da Silva Higino – Graduação Tecnológica em Gestão de Pessoas. Aprimoramento em Qualidade e Gestão de Processo.

Qualidade e segurança

Qualidade e Segurança Assistencial em números

Informativos para os pais

A equipe de Qualidade e Segurança precisa ser notificada do que se passa no hospital. O melhor caminho para os pacientes e familiares avisarem sobre alguma falha é entrando em contato com o SAC no telefone (11) 2155 9305.

A equipe de Qualidade analisa diariamente as reclamações. No caso de um “evento adverso” – como são chamadas as condições inesperadas que não fazem parte da evolução natural da doença e que atinjam alguém ou que tenham um risco de atingir –, ele será avaliado e será criado um plano de ação.

Compartilhe sua experiência




Informações para profissionais

Serviços relacionados

A área de Qualidade e Segurança Assistencial faz interface com todos os setores do Hospital, veja alguns dos serviços relacionados diretamente:

 

 

  • Farmácia – medicamentos de alta vigilância. Nas prescrições, existe um alerta para medicamentos de alta vigilância, que são os principais medicamentos relacionados a eventos adversos relacionados à medicação. Normalmente eles têm alta toxicidade, o que significa que pequenas variações de dose podem provocar uma alteração muito grande de efeito, ou merecem atenção porque têm nomes ou aparência física muito parecidos, com grande risco de confusão; 
  • Enfermagem – formulário de planejamento de cuidados do paciente, que serve para que a equipe de cuidadores tenha um planejamento único. Todo mundo tem que saber o que o paciente tem, como está sendo tratado e o que está previsto para ele. Há também os protocolos, que são modelos estabelecidos para tratamento de determinadas doenças;
  • Centro cirúrgico – o checklist de segurança cirúrgico, recomendado pela Organização Mundial da Saúde, é usado em três momentos: o primeiro é antes da anestesia, o segundo é logo antes de começar a cirurgia e o terceiro é antes do paciente sair da sala. Ele inclui, entre outras coisas, a identificação da equipe, do paciente e o local da cirurgia. 

Autor: Equipe Sabará

Atualizado em: 13/9/2017