Sabará realiza exame em gestantes para avaliação do feto

A maioria dos exames do Centro de Diagnósticos do Sabará é realizado em bebês e crianças, porém recentemente o Centro passou a atender gestantes para o exame de ecodopplercardiografia fetal, que serve para o diagnóstico de cardiopatias congênitas, doenças que representam a principal causa de mortalidade perinatal por doença congênita.

Cardiopatia congênita é o nome dado às doenças do coração já existentes no nascimento. Ocorrem cerca de 8 a 12 casos por mil nascidos vivos. De 20 a 30% desses recém-nascidos morrem no primeiro mês de vida, sendo fundamental o diagnóstico pré-natal para a diminuição deste índice. Há também uma associação entre alterações cardíacas e óbitos fetais (ainda durante a gravidez), sendo de até 39,5%, dependendo da idade gestacional.

A ecodopplercardiografia fetal, responsável pela definição da anatomia do coração e do comportamento de anomalias cardíacas, idealmente deve ser realizada entre 24 e 28 semanas de gestação. Como o coração do bebê passa por alterações ao longo da gravidez, ela não deve ser vista apenas como um exame pontual, mas tem também utilidade de forma seriada, para acompanhar a cardiopatia.

 

Quem deve realizar o exame

As indicações para a realização do exame são:

  • História familiar de cardiopatia congênita
  • Doenças metabólicas (Diabetes, Fenilcetonúria)
  • Anormalidades extracardíacas fetais
  • Exposição a teratógenos
  • Anomalias cromossômicas
  • Exposição a inibidores de prostaglandinas (Ibuprofeno, Salicilatos, Indometacina)
  • Arritmias fetais
  • Rubéola congênita
  • Hidropsia fetal não imune
  • Doenças autoimunes maternas (LES, Síndrome de Sjogren)
  • Aumento da translucência nucal
  • Síndromes familiares (Marfan, Noonan, Ellis Van Creveld)
  • Gestações múltiplas
  • Fertilizações in vitro
  • Retardo do crescimento fetal
  • Idade materna avançada
  • Suspeita de cardiopatia pelo ultrassom obstétrico

Contudo, aproximadamente 80% das malformações cardíacas ocorrem em fetos sem qualquer fator de risco e a maioria destes acaba não realizando o ecodopplercardiograma durante a gravidez e, assim, não recebe o diagnóstico durante o pré-natal.

O ultrassom obstétrico de rotina é essencial e de grande importância, porém muitas alterações cardíacas podem passar desapercebidas. Já a análise cardíaca pela ecocardiografia fetal é sistemática e detalhada.

 

Importância do diagnóstico precoce

Os benefícios do diagnóstico da cardiopatia ainda durante a gestação são muitos. Em determinadas cardiopatias, pode haver necessidade de drogas antiarritmicas, de antecipação do parto ou intervenção cirúrgica fetal.

Em outras, a gestante pode ser encaminhada para centros de referência em cardiologia pediátrica e cirurgia cardíaca. Com uma adequada recepção ao recém-nascido cardiopata é possível oferecer uma transição entre a vida fetal e pós-natal muito mais natural e limitar os fatores prejudiciais, aumentando a sobrevida e evitando a deterioração clínica.

Nos casos de cardiopatias leves, o diagnóstico precoce proporciona aos pais e ao corpo clínico tranquilidade na vigência de um sopro cardíaco.

Além disso, independentemente da complexidade da anomalia, o diagnóstico pré-natal permite um adequado aconselhamento familiar, um aprimoramento da relação médico-paciente e oferece oportunidade da família se informar, não se surpreender e preparar-se de maneira psicológica e logística.

Assim como a constante evolução da assistência clínica e cirúrgica aos recém-nascidos com cardiopatia, o diagnóstico pré-natal tem enorme impacto na sobrevida dessas crianças e qualidade de vida delas e de suas famílias.

 

O exame é realizado no Centro de Excelência do Sabará Hospital Infantil. Para agendar, entre em contato: (11) 2526-2526 ou agendaexames@sabara.com.br

Autor: Mariana Setubal

Atualizado em: 15/8/2019