A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z

Vacinas para Prematuros 

Os bebês prematuros são cada vez mais comuns e, muitas vezes, as famílias têm dúvidas sobre como lidar com eles. Aqui vão algumas orientações em relação às vacinas de prematuros baseadas nas orientações da Associação Brasileira de Imunização.

BCG ID
Deverá ser aplicada na maternidade, em recém-nascidos (RNs) com peso maior ou igual a 2 quilos. Se o bebê nascer com peso abaixo disso, deverá esperar atingir os 2kg para receber a imunização.

Hepatite B
Aplicar a primeira dose logo após o nascimento, de preferência nas primeiras 12 horas de vida, e, posteriormente, as outras duas doses (esquema 0-1 ou 2-6 meses). Nos recém-nascidos com menos de 33 semanas de gestação e/ou menos de 2 quilos ao nascimento, usar o esquema com quatro doses (esquema 0-1-2-6 meses).

Palivizumabe
Durante o período de circulação do vírus sincicial respiratório.

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomenda doses mensais consecutivas de 15 mg/kg de peso, via intramuscular, até no máximo cinco aplicações para os seguintes grupos:

• Prematuros até 28 semanas gestacionais, no primeiro ano de vida.
• Prematuros até 32 semanas gestacionais, nos primeiros seis meses de vida.
• Bebês com doença pulmonar crônica da prematuridade e/ou cardiopatia congênita, até o segundo ano de vida, desde que esteja em tratamento destas patologias nos últimos seis meses.

Pneumocócica conjugada
Iniciar o mais precocemente possível (aos 2 meses), respeitando a idade cronológica. Três doses: aos 2, 4 e 6 meses, com reforço aos 15 meses.

Influenza (gripe)
Respeitando a idade cronológica e a sazonalidade da circulação do vírus. Duas doses a partir dos 6 meses, com intervalo de 30 dias entre elas.

Poliomielite inativada
Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida (aos 2, 4 e 6 meses).

Rotavírus
Não utilizar a vacina em ambiente hospitalar. Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida (aos 2, 4 e 6 meses).

Tríplice bacteriana
Em recém-nascidos prematuros, hospitalizados ou não, utilizar preferencialmente vacinas acelulares. Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida (aos 2, 4 e 6 meses, com reforços aos 15 meses e entre 4 e 6 anos).

Hemófilos tipo B
As vacinas combinadas de DTPa com Hib e outros antígenos são preferenciais, permitem a aplicação simultânea e se mostraram eficazes e seguras para os RNPTs.

Na rede pública, a vacina Hib combinada com DTPa não está disponível, por esse motivo, para os RNPTs extremos, a conduta do Ministério da Saúde é adiar a vacina Hib para 15 dias após a administração de DTPa.

Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses (aos 2, 4, 6 e 15 meses).

Meningocócicas

Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 3 meses de vida (aos 3, 5, 7 e 12 meses).

Imunoglobulina humana anti-hepatite B (IGHAHB)

Para RNs de mães portadoras do vírus da hepatite B; Aplicar preferencialmente nas primeiras 12 a 24 horas de vida, até, no máximo, o sétimo dia de vida.

Imunoglobulina humana antivaricela zóster (IGHVZ)

Está recomendada nas seguintes situações:
• Para prematuros nascidos entre 28 semanas e 36 semanas de gestação expostos à varicela, quando a mãe tiver história negativa para varicela.
• Para prematuros nascidos com menos de 28 semanas de gestação ou com menos de 1.000g de peso expostos à varicela, independente da história materna de varicela.
• Deve ser aplicada até 96 horas de vida do RN.

Imunoglobulina humana antitetânica (IGHAT)

Para RNs prematuros com lesões potencialmente tetanogênicas, independentemente da história vacinal da mãe.

Saiba mais aqui.

Autor: Dr. José Luiz Setubal
Fonte: Sociedade Brasileira de Imunização