A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z

Torcicolo Congênito

O torcicolo congênito é definido como uma contratura do músculo lateral do pescoço, que, em geral, se manifesta no período neonatal ou em lactentes jovens. Sua incidência é de 1:250 recém-nascidos. A etiologia é desconhecida, mas parece ter relação com as condições do parto, como apresentações cefálicas à posição intrauterina, que causariam deficiência de circulação no músculo.

O diagnóstico é clínico e se dá pela observação da posição da cabeça virada e do nódulo que pode estar presente no pescoço. Com frequência, esse nódulo é notado entre 10 e 15 dias de vida e pode aumentar até os 2 meses, atingindo o tamanho de 3 cm, quando, então, começa a regredir e pode desaparecer completamente até o final do primeiro ano.

Devido ao encurtamento muscular unilateral, a criança prefere dormir na posição virada. Essa posição constante da cabeça pode levar a um remodelamento nos ossos da face, alterando a forma da cabeça.

O tratamento inicial é clínico, por meio de fisioterapia, com melhora de 95% das crianças antes do primeiro ano de vida. Os pais devem ser orientados e encorajados a participar, realizando os exercícios propostos, e a quantidade de sessões pode influenciar o tempo de resolução da doença.

A intervenção cirúrgica pode ser necessária em crianças que continuam a ter limitação dos movimentos do pescoço, plagiocefalia significativa ou assimetria facial após 6 a 12 meses de idade.

Autor:Dr. José Luiz Setúbal
Fonte: Torcicolo congênito: avaliação de dois tratamentos fisioterapêuticos
Revista Paulista de Pediatria, vol. 26, nº 3, São Paulo, setembro de 2008
Luciane Zanusso PagnossimI; Augusto Frederico S. SchmidtII; Joaquim Murray Bustorff-SilvaIII; Sérgio Tadeu M. MarbaIV; Lourenço Sbragia