Febre Tifoide - Hospital Sabará
 
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z

Febre Tifoide

Doença bacteriana aguda, de distribuição mundial, associada a baixos níveis socioeconômicos, principalmente em áreas com precárias condições de saneamento, higiene pessoal e ambiental. Com tais características, praticamente encontra-se eliminada em países onde esses problemas foram superados.

No Brasil, a febre tifoide ocorre sob a forma endêmica, com superposição de epidemias, especialmente nas regiões Norte e Nordeste, refletindo as condições de vida de suas populações.

A bactéria que dá origem à febre tifoide foi descrita pela primeira vez em 1880, por Karl Joseph Elberth. Os japoneses utilizaram-na como arma química na Segunda Guerra Mundial, em ataque direto contra as forças russas. Nos anos 70, foram observadas relações dessa bactéria com répteis. Desde então e até hoje, pesquisadores verificaram vários casos da doença que nasceram pelo contato com tartarugas-verdes. Esse fato levou, em 1975, uma agência governamental americana, responsável pelo controle de qualidade de medicamentos e alimentos, a vetar a venda de tartarugas-aquáticas menores que 10 centímetros, evitando, assim, que crianças pudessem colocá-las na boca e contrair a doença. Apenas uma pequena percentagem da doença está relacionada com répteis – a maior parte da transmissão se dá por alimentos.

No Brasil, não são raros os casos de infecção causada por Salmonella em restaurantes e presídios, devido à contaminação dos alimentos, tanto podendo ter origem no produto quanto na manipulação inadequada.
Desde a década de 80, e especificamente na década de 90, observa-se um declínio no coeficiente de incidência de 1,4/100.000 habitantes em 1990 para 0,27/100.000 habitantes em 2005 – e na letalidade – de 2,4% em 1990 para 0,8% em 2005. Em 2006, o coeficiente de letalidade foi de 1,9%; em 2007, de 0,75%; e, em 2008 (*), de 2,2%.

Fonte: Ministério da Saúde



Tratamento

A febre tifóide é tratada com antibióticos. A febre tifóide é muito contagiosa até ser tratada. Em um pequeno número de casos, as pessoas podem ser portadoras de febre tifóide, mesmo após o desaparecimento da doença. Portadores crônicos podem liberar bactérias contagiosas da salmonela na urina ou nas fezes. Esta condição pode ser tratada com antibióticos ou em casos excepcionais com cirurgia.


Open chat
Cuidador Virtual