Escorregamento Epifisário Proximal do Fêmur (EEPF) ou Epifisiólise - Hospital Sabará
 
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z

Escorregamento Epifisário Proximal do Fêmur (EEPF) ou Epifisiólise

O Escorregamento Epifisário Proximal do Fêmur (EEPF) é uma condição no quadril que ocorre em adolescentes e pré-adolescentes que ainda estão crescendo. Por razões que não são bem compreendidas, a bola na cabeça do fêmur (fêmur) desliza fora do colo do osso em uma direção para trás. Isso provoca dor, rigidez e instabilidade no quadril afetado. A condição geralmente se desenvolve gradualmente ao longo do tempo e é mais comum em meninos do que em meninas. O tratamento para EEPF envolve cirurgia para parar a cabeça do fêmur para evitar de escorregar ainda mais. Para alcançar o melhor resultado, é importante ser diagnosticado o mais rápido possível. Sem detecção precoce e tratamento adequado, EEPF pode levar a complicações potencialmente graves, incluindo artrite dolorosa na articulação do quadril.

 

Anatomia

O quadril é uma articulação esférica. O soquete é formado pelo acetábulo, que é parte do osso grande da pelve. A bola é a cabeça femoral, que é a extremidade superior do fêmur (osso da coxa).

Como os outros ossos longos no corpo, o fêmur não cresce do centro para fora. Em vez disso, o crescimento ocorre em cada extremidade do osso ao redor de uma área de cartilagem em desenvolvimento chamada placa de crescimento (fise).

As placas de crescimento estão localizadas entre a parte alargada do eixo do osso (metáfise) e a extremidade do osso (epífise). A epífise na extremidade superior do fêmur é o centro de crescimento que se torna a cabeça femoral.

 

Descrição

O EEPF é o transtorno de quadril mais comum em adolescentes. No EEPF, a epífise, ou cabeça do fêmur (coxa), desliza para baixo e para trás fora do colo do osso na placa de crescimento, a área mais fraca do osso que ainda não se desenvolveu.

EEPF geralmente se desenvolve durante períodos de crescimento rápido, logo após o início da puberdade. Nos meninos, isso ocorre mais comumente entre as idades de 12 e 16. Em meninas, entre as idades de 10 e 14 anos.

Às vezes, EEPF ocorre de repente após uma pequena queda ou trauma. Mais frequentemente, no entanto, a condição se desenvolve gradualmente ao longo de várias semanas ou meses, sem lesão prévia.

EEPF é muitas vezes descrito com base na capacidade do paciente suportar peso sobre o quadril afetado. Conhecer o tipo de EEPF irá ajudar o seu médico a determinar o tratamento. Os tipos de EEPF incluem:

  • EEPF estável. Em EEPF estável, o paciente é capaz de andar ou suportar peso sobre o quadril afetado, com ou sem muletas. A maioria dos casos de SCFE são deslizamentos estáveis.
  • EEPF instável. Este é um deslizamento mais grave. O paciente não pode andar nem suportar peso, mesmo com muletas. EEPF instável requer tratamento urgente. Complicações associadas com EEPF são muito mais comuns em pacientes com deslizamentos instáveis.

EEPF geralmente ocorre em apenas um dos lados; entretanto até 60% dos pacientes, particularmente nos mais jovens, pode ocorrer do lado oposto – geralmente nos 18 meses subsequentes.

 

Causa
A causa do EEPF não é conhecida. A condição é mais provável de ocorrer durante um surto de crescimento e é mais comum em meninos do que meninas.

Os fatores de risco que tornam alguém mais propensos a desenvolver a condição incluem:

  • Peso excessivo ou obesidade – a maioria dos pacientes está acima do percentil 95 do peso.
  • História familiar de EEPF.
  • Um distúrbio endócrino ou metabólico, como o hipertireoidismo, é mais provável que seja um fator para pacientes que são mais velhos ou mais jovens do que a faixa etária típica para EEPF (10 a 16 anos de idade).


Tratamento

O objetivo do tratamento é evitar que a cabeça femoral ligeiramente deslocada escorregue ainda mais. Isto é sempre realizado através de cirurgia.O diagnóstico precoce do EEFP proporciona a melhor chance de estabilizar o quadril e evitar complicações. Quando tratada precocemente e adequadamente, a longo prazo pode ser esperada uma função muito boa do quadril.Uma vez confirmado o EEPF, o seu filho não poderá suportar peso no quadril e provavelmente será admitido no hospital. Na maioria dos casos, a cirurgia é realizada dentro de 24 a 48 horas.   Procedimentos cirúrgicos O procedimento cirúrgico recomendado pelo seu médico dependerá da gravidade do deslizamento. Os procedimentos usados ​​para tratar EEPF incluem:
  • Fixação in situ. Este é o procedimento mais utilizado para pacientes com EEPF estável ou leve. O médico faz uma pequena incisão perto do quadril e, em seguida, insere um parafuso de metal através da placa de crescimento para manter a posição da cabeça femoral e evitar qualquer outro deslizamento.Ao longo do tempo, a placa de crescimento irá fechar, ou fundir. Uma vez que a placa de crescimento está fechada, não pode ocorrer mais deslizamento.
  • Redução aberta. Em doentes com EEPF instável, o médico pode primeiro fazer uma incisão aberta no quadril, em seguida, manipular suavemente (reduzir) a cabeça do fêmur de volta para sua posição anatômica normal.O médico irá então inserir um ou dois parafusos de metal para manter o osso no lugar até que a placa de crescimento se feche. Este é um procedimento mais extenso e requer um tempo de recuperação mais longo. O risco se sequela é muito maior no quadril instável.
  • Fixação in situ no quadril oposto. Alguns pacientes têm maior risco de ocorrer EEPF no lado oposto. Se este for o caso com o seu filho, o seu médico pode recomendar a inserção de um parafuso em seu quadril não afetado ao mesmo tempo para reduzir o risco de EEPF. Seu médico falará com você se isso é apropriado para seu filho.
    Complicações Embora a detecção precoce e o tratamento adequado do EEPF ajudem a diminuir a chance de complicações, alguns pacientes ainda terão problemas.As complicações mais comuns após EEPF são necrose avascular e condrólise.   Necrose Avascular Se o caso for grave, o EEPF pode ter o fornecimento de sangue para a cabeça femoral limitado. Isso pode levar a um colapso gradual e muito doloroso do osso - uma condição chamada necrose avascular (NAV) ou osteonecrose. Quando o osso entra em colapso, a cartilagem articular que cobre o osso também colapsa. Sem esta cartilagem lisa, o osso atrita contra osso, levando a artrite dolorosa na articulação. Para alguns pacientes com NAV, cirurgia adicional pode ser necessária para reconstruir o quadril. NAV é mais provável de ocorrer em pacientes com EEPF instável. Como a evidência de AVN pode não ser vista em raios-X por até 12 meses após a cirurgia, o paciente será monitorado com raios-X durante este período de tempo.   Condrólise A condrólise é uma complicação rara, mas grave, da EEPF. Na condrólise, a cartilagem articular na superfície da articulação do quadril degenera muito rapidamente, levando a dor, deformidade e perda permanente de movimento no quadril afetado. Embora a causa da condição ainda não seja totalmente compreendida pelos médicos, acredita-se que pode resultar de inflamação na articulação do quadril. Fisioterapia intensa e medicamentos anti-inflamatórios podem ser prescritos para pacientes que desenvolvem condrólise. Com o tempo, pode haver algum retorno gradual do movimento no quadril.  

Recuperação

Suporte de peso Após a cirurgia, o seu filho estará com auxílio de muletas por várias semanas. O médico lhe dará instruções específicas sobre quando a marcha com peso completo pode começar. Para evitar mais lesões, é importante seguir atentamente as instruções do seu médico. Fisioterapia Um fisioterapeuta irá fornecer exercícios específicos para ajudar a fortalecer os músculos do quadril e perna e melhorar a amplitude de movimento. Esportes e Outras Atividades Por um período de tempo após a cirurgia, seu filho será impedido de participar de esportes e atividades físicas. Isso ajudará a minimizar a chance de complicações e permitir que a cura ocorra. O seu médico irá dizer-lhe quando o seu filho pode retomar com segurança às suas atividades normais. Acompanhamento médico Seu filho retornará ao médico para visitas de acompanhamento de 18 a 24 meses após a cirurgia. Estas visitas podem incluir raios X a cada 3 a 4 meses para garantir que a placa de crescimento tenha fechado e que não tenham ocorrido complicações.Dependendo da idade do paciente e outros fatores, uma abordagem de equipe que inclui um pediatra geral, endocrinologista e / ou nutricionista pode ser necessária para cuidados abrangentes no longo prazo.

Open chat
Cuidador Virtual