Eritema Infeccioso ou Quinta Moléstia - Hospital Sabará
 
A Q B R C S D T E U F V G W H X I J Z K L M N O P

Eritema Infeccioso ou Quinta Moléstia

Etiologia: Parvovírus B19

Epidemiologia: Transmissão por contato com secreções respiratórias, acidente percutâneo com sangue ou produtos sanguíneos, e transmissão vertical mãe-feto.

Pico de incidência entre pré-escolares e escolares.

A transmissão ocorre, preferencialmente, antes do aparecimento do exantema, sendo rara após o mesmo.

O período de incubação é de 4 a 14 dias, até um máximo de 21 dias.

Exantema e sintomas articulares que podem ocorrer, em geral, aparecem de 2 a 3 semanas após a infecção.

Quadro clínico: Febre ocorre em apenas 15% a 30% dos pacientes, acompanhada de sintomas discretos, como mal estar, cefaleia e mialgia, 7 a 10 dias antes do aparecimento do exantema. O exantema é característico e se inicia na face, com rubor intenso, chamado de “fácies esbofeteada”, evoluindo com um rendilhado simétrico no tronco, nos braços, nas nádegas e coxas. A intensidade do exantema pode variar frente a condições ambientais, intensificando-se com o aumento da temperatura ambiente, banho quente ou exposição solar. Flutuações na apresentação do rash podem ocorrer por semanas a meses.

Sintomas articulares podem ocorrer mais comumente em adultos.

A infecção durante a gravidez pode levar a hidropsia fetal e óbito, sendo maior o risco na primeira metade da gestação.

Pacientes com anemia hemolítica podem desenvolver crise aplástica na infecção por Parvovírus B19, com duração de 7 a 10 dias, podendo ser necessária transfusão sanguínea.

Diagnóstico: A sorologia pode ser realizada (IgM e IgG), porém, usualmente, não é solicitada, a não ser em casos de possível risco para a gestante exposta.

Tratamento: Medidas de suporte.

Isolamento: Desnecessário nos casos habitualmente vistos no pronto-atendimento, já que o contágio se dá antes da manifestação exantemática.

Indicado cuidado com gestantes perante crianças acometidas que sejam imunodeprimidas ou com crise aplástica, na qual o período de transmissão é maior. Nesses casos, orientar isolamento por 7 dias.

Autora: Dra Maria Claudia Senatore
Fonte: Baseado no texto da autora no livro Manual de Urgências e Emergências em Pediatria.
Hospital Infantil Sabará – Ed. Sarvier



Tratamento

Pergunte ao seu médico sobre o melhor plano de tratamento para você. Opções de tratamento incluem:

Medicamentos

Como a quinta doença é causada por um vírus, os antibióticos não são eficazes no tratamento. Atualmente, não há medicamentos antivirais disponíveis para tratamento. Geralmente, a quinta doença não requer nenhum tratamento além do repouso. Medicamentos como o paracetamol podem ser usados ​​para aliviar a dor nas articulações e reduzir a febre. Medicamentos anti-coceira podem ser usados ​​para aliviar a coceira associada à erupção cutânea.

Pessoas com Anemia Crônica

Em pessoas com anemia falciforme ou outros tipos de anemia crônica, o parvovírus B19 às vezes pode causar anemia grave e aguda. Nesse caso, a anemia exigirá tratamento, que inclui hospitalização e transfusões de sangue.

Pessoas com problemas imunológicos

Pessoas com problemas imunológicos podem precisar de cuidados médicos especiais, como tratamento com anticorpos, para ajudá-los a se curar da infecção.

Mulheres grávidas

Às vezes, a infecção por parvovírus B19 em mulheres grávidas pode causar anemia grave no feto ou, possivelmente, um aborto espontâneo. Isso é raro (menos de 5% dos casos). Em geral, não há complicações sérias. No entanto, se estiver grávida e pensar que pode ter uma infecção por parvovírus B19 ou se tiver tido contacto com alguém que tenha esta infecção, peça uma avaliação ao seu obstetra.


Agende agora sua consulta pelo nosso Cuidador Virtual