Displasia do Desenvolvimento (Luxação) do Quadril (DDQ) - Hospital Sabará
 
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z

Displasia do Desenvolvimento (Luxação) do Quadril (DDQ)

O quadril é uma articulação “bola-e-soquete”. Em um quadril normal, a bola na extremidade superior do fêmur encaixa firmemente no soquete, que é parte do grande osso da pelve. Em bebês e crianças com displasia do desenvolvimento (luxação) do quadril (DDQ), a articulação do quadril não se formou normalmente. A bola está solta no soquete e pode ser fácil de deslocar.

Embora a DDQ seja mais frequentemente presente no nascimento, ela também pode se desenvolver durante o primeiro ano de vida de uma criança. Pesquisas recentes mostram que os bebês cujas pernas são agasalhadas firmemente com os quadris e joelhos em linha reta estão em um risco significativamente maior para desenvolver DDQ após o nascimento. Como agasalhar (charutinho) torna-se cada vez mais popular, é importante para os pais aprender a envolver e proteger seus bebês com segurança e entender que quando feito de forma inadequada, pode levar a problemas como a DDQ.

 

Descrição

Em todos os casos de DDQ, o soquete (acetábulo) é raso, o que significa que a bola do fêmur não pode se encaixar firmemente no soquete. Às vezes, os ligamentos que ajudam a manter a articulação no lugar são esticados. O grau de afrouxamento do quadril, ou instabilidade, varia entre as crianças com DDQ.

  • Deslocados. Nos casos mais graves de DDQ, a cabeça do fêmur está completamente fora do soquete.
  • Deslocável. Nestes casos, a cabeça do fêmur fica dentro do acetábulo, mas pode ser facilmente empurrada para fora do soquete durante um exame físico.
  • Subluxável. Em casos leves de DDQ, a cabeça do fêmur é simplesmente solta no soquete. Durante um exame físico, o osso pode ser movido dentro do soquete, mas não deslocado.

No Brasil, 1 a 2 crianças podem desenvolver displasia para cada 100 nascidos.

Causa

A Displasia do quadril tende a ser familiar, com maior incidência entre membros de uma família. Pode estar presente no quadril e em qualquer indivíduo. Geralmente afeta o quadril esquerdo e é predominante em:

  • Meninas
  • Crianças primogênitas
  • Bebês nascidos na posição de nádegas (especialmente com os pés para cima dos ombros). A Academia Americana de Pediatria agora recomenda ultrassonografia para triagem de todos os bebês meninas nascidas na posição de nádegas
  • História familiar de DDQ (pais ou irmãos)
  • Oligohidraminos (baixos níveis de líquido amniótico)


Tratamento

Quando a DDQ é detectada no nascimento, geralmente pode ser corrigida com o uso de um suspensório ou cinta. Se o quadril não é deslocado no nascimento, a condição pode não ser notada até que a criança comece a andar. Neste momento, o tratamento é mais complicado, com resultados menos previsíveis.     Tratamento não cirúrgico Os métodos de tratamento dependem da idade da criança.
  • Recém-nascidos. O bebê é colocado em um dispositivo de posicionamento suave, chamado de suspensório de Pavlik, por 1 a 2 meses para manter o fêmur no soquete. Esta cinta especial é projetada para manter o quadril na posição adequada, permitindo o livre movimento das pernas e fácil manuseio da fralda. O suspensório de Pavlik ajuda a apertar os ligamentos em torno da articulação do quadril e promove a formação normal do soquete do quadril. Os pais desempenham um papel essencial na garantia de que o suspensório seja eficaz. O seu médico e equipe de cuidados como fisioterapeuta e enfermagem irão ensiná-lo a realizar com segurança tarefas de cuidados diários, como fraldas, banhos, alimentação e vestuário.
 
    • 1 mês a 6 meses. Semelhante ao tratamento do recém-nascido, o fêmur do bebê é reposicionado no soquete usando um arnês ou dispositivo similar (Suspensório de Pavlik). Este método é geralmente bem sucedido, mesmo com os quadris que são deslocados inicialmente. Quanto tempo o bebê vai exigir o suspensório varia. Geralmente é usado em tempo integral por pelo menos 6 semanas e, em seguida, a tempo parcial por mais 6 semanas. Se o quadril não ficar na posição adequada usando um suspensório, seu médico pode tentar uma cinta de abdução feita de material mais firme que vai manter as pernas do bebê na posição. Em alguns casos, é necessário um procedimento de redução fechado. Seu médico moverá suavemente o fêmur do seu bebê para a posição correta e, em seguida, aplica um gesso (calção gessado) para manter os ossos no lugar. Este procedimento é feito enquanto o bebê está sob anestesia. Cuidar de um bebê em um calção gessado requer instrução específica. Seu médico e equipe de saúde irá ensiná-lo a realizar atividades diárias, manter o gesso e identificar quaisquer problemas.
    • 6 meses a 2 anos. Bebês mais velhos também são tratados com redução fechada e gesso. Na maioria dos casos, a tração da pele é usada por algumas semanas antes de reposicionar o fêmur. Tração da pele prepara os tecidos moles ao redor do quadril para a mudança no posicionamento ósseo. Pode ser feito em casa ou no hospital.
    • Tratamento Cirúrgico

    • 6 meses a 2 anos. Se um procedimento de redução fechada não é bem sucedido em colocar o fêmur na posição adequada, cirurgia aberta é necessária. Neste procedimento, uma incisão é feita no quadril do bebê que permite ao cirurgião ver claramente os ossos e tecidos moles. Em alguns casos, o fêmur será encurtado para encaixar corretamente o osso no soquete. As radiografias são realizadas durante a operação para confirmar que os ossos estão na posição. Depois, a criança é colocada em um gesso para manter a posição adequada do quadril.
    • Mais de 2 anos. Em algumas crianças, a frouxidão piora à medida que a criança cresce e se torna mais ativa. Cirurgia aberta é normalmente necessária para realinhar o quadril. Um gesso é geralmente aplicado para manter o quadril encaixado.
       
    • RecuperaçãoEm muitas crianças com DDH, é necessário um gesso ou aparelho para manter o osso do quadril na articulação durante a cicatrização. O molde pode ser necessário por 2 a 3 meses. O seu médico pode alterar o elenco durante este período de tempo. Radiografias e acompanhamento regular são necessários após o tratamento DDQ até que o crescimento da criança se complete. Complicações Crianças tratadas com gesso podem ter um atraso na marcha. No entanto, quando o gesso é removido, o desenvolvimento do andar prossegue normalmente. O Suspensório de Pavlik e outros dispositivos de posicionamento podem causar irritação da pele ao redor das tiras, e uma diferença no comprimento da perna pode permanecer. Os distúrbios do crescimento da parte superior do fêmur são raros, mas podem ocorrer devido a uma perturbação no suprimento de sangue para a área de crescimento no fêmur. Mesmo após o tratamento adequado, um soquete raso do quadril ainda pode persistir, e cirurgia pode ser necessária na primeira infância para restaurar a anatomia normal da articulação do quadril.   Resultados Se diagnosticado precocemente e tratado com sucesso, as crianças são capazes de desenvolver uma articulação do quadril normal e não devem ter nenhuma limitação na função. Sem tratamento, DDQ pode levar a dor e osteoartrite no início da idade adulta. Pode produzir uma diferença no comprimento da perna ou uma marcha “de pato” e agilidade diminuída. Mesmo com tratamento adequado, deformidade do quadril e osteoartrite podem desenvolver mais tarde na vida. Isto é especialmente comum quando o tratamento começa após a idade de 2 anos.


Open chat
Cuidador Virtual