Anafilaxia - Hospital Sabará
 
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z

Anafilaxia

Reação sistêmica grave, súbita e potencialmente fatal, decorrente da liberação de mediadores inflamatórios, desencadeada após exposição a uma substância à qual o indivíduo é suscetível. Ocorre em cerca de 1-3:10.000 habitantes.

Classicamente, a reação anafilática é mediada por imunoglobulina e após exposição a alérgenos (coisas que causam a alergia). Mas existem também outros mecanismos imunológicos envolvidos e reações não-imunológicas (reações anafilactoides). Na prática, a apresentação clínica e o tratamento são os mesmos, independentemente do mecanismo envolvido.

Em pediatria, a maior causa é a alergia alimentar, e os principais alimentos envolvidos são: leite, ovo, trigo, amendoim, peixes e crustáceos. Outros agentes: medicamentos (antibióticos, analgésicos, anti-inflamatórios, insulina), látex, insetos, extratos alergênicos para testes alérgicos e imunoterapia.

Alguns fatores estão relacionados com maior risco de anafilaxia:

  • Sexo masculino na infância e sexo feminino em adultos.
  • Administração (parenteral, injetável) da droga também relacionada com o aumento da frequência e da gravidade da reação.
  • Atopia (fator de risco para os casos de antígenos ingeridos, alergia ao látex, reação a radiocontraste).
  • Os sintomas são imediatos e surgem, em geral, de 1 a 30 minutos após a exposição ao alérgenos, podendo variar quanto à intensidade.
  • Cutâneo: rubor, prurido, urticária, angioedema (inchaço)
  • Oral: prurido, edema de lábios e língua, gosto metálico
  • Nasal: prurido, rinorreia, espirros, congestão
  • Respiratório: edema laríngeo, disfonia, opressão torácica, dispneia, sibilância, tosse
  • Cardiovascular: síncope, dor torácica, hipotensão e arritmia
  • Gastrintestinal: disfagia, náuseas, vômitos, dor abdominal, diarreia
  • Outros: sensação de morte iminente, sudorese, contrações uterinas e incontinência

Autoras: Dra. Andrea Penha Rocha, Dra. Alessandra Miramontes Lima e Dra. Fátima Rodrigues Fernandes
Fonte: Baseado no texto da autoras no livro Manual de Urgências e Emergências em Pediatria
Hospital Infantil Sabará – Ed. Sarvier



Tratamento

A anafilaxia é uma emergência médica que requer tratamento médico imediato, incluindo:
  • Injeções de epinefrina (adrenalina): faz com que os vasos sanguíneos se contraiam, relaxe as vias aéreas, pare de comichão e urticária e alivia as cãibras gastrointestinais
  • Outros medicamentos: corticosteróides e anti-histamínicos podem ser administrados após a epinefrina para reduzir a inflamação e melhorar a respiração.
  • Broncodilatadores: para melhorar a respiração
  • Fluidos intravenosos: para manter a pressão arterial
  • Oxigênio
  • Ressuscitação cardiopulmonar (RCP): pode ser necessária para casos graves em que a anafilaxia causa colapso cardiovascular. A anafilaxia grave pode exigir ventilação mecânica até que a inflamação seja controlada.
NOTA : Se você receber epinefrina de emergência, você deve ir para a sala de emergência imediatamente, mesmo que os sintomas tenham desaparecido. Se você for diagnosticado com anafilaxia, siga as instruções do seu médico.


Open chat
Cuidador Virtual