Saiba como acompanhar o crescimento do seu filho e estimar a altura dele quando adulto   - Hospital Sabará
Saiba como acompanhar o crescimento do seu filho e estimar a altura dele quando adulto  
Notícias

Saiba como acompanhar o crescimento do seu filho e estimar a altura dele quando adulto  

Saiba como acompanhar o crescimento do seu filho e estimar a altura dele quando adulto  

 

Acompanhar o crescimento das crianças é uma experiência prazerosa e dinâmica. Especialmente nos dois primeiros anos de vida, elas crescem muito rápido. Quem nunca foi surpreendido pelo sapatinho ou roupinha usados pelo bebê há pouco tempo e que, alguns dias depois, já não serviam mais, não é mesmo?  

 

Observar a evolução dos pequenos, muitas vezes, vira um momento de brincadeira entre pais e filhos com a marcação da altura em réguas coloridas colocadas no quartinho da criança ou em alguma parede da casa. Para além da diversão, monitorar o crescimento infantil é realmente fundamental, pois é considerado um dos melhores indicadores de saúde da criança. A identificação de desvios no crescimento esperado permite o diagnóstico precoce de possíveis problemas, como desnutrição, sobrepeso ou obesidade.

 

No texto de hoje, vamos falar quais os parâmetros utilizados atualmente para o acompanhamento do crescimento de acordo com a idade da criança, e ensinar também a calcular a estimativa de altura do seu filho quando adulto, entre outros assuntos. Fique com a gente, continue a leitura para conhecer as informações! 

 

Por que o crescimento está diretamente associado à saúde da criança? 

 

O crescimento humano, expresso pelo aumento do tamanho corporal, ocorre por meio de um processo biológico de multiplicação e aumento do tamanho das células no organismo. A herança genética tem forte influência sobre a altura que a criança pode ter quando adulta, porém outros agentes ambientais também impactam no crescimento, como alimentação, condições de habitação, saneamento básico, acesso a serviços de saúde e as relações de afeto no ambiente familiar. Fatores como o metabolismo e as malformações também podem prejudicar o crescimento. 

 

Sobre isso, no documento “Saúde da Criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil” do Ministério da Saúde, publicado em 2002, destaca que “as condições em que ocorre o crescimento, em cada momento da vida da criança, incluindo o período intra-uterino, determinam as suas possibilidades de atingir ou não seu potencial máximo de crescimento, dotado por sua carga genética”. Por isso, acompanhar a evolução esperada da criança de acordo com a sua idade é uma das principais ferramentas na atenção integral à saúde infantil, já que o crescimento está relacionado a diversos fatores. 

 

Mas, como saber se a criança está crescendo adequadamente? 

 

Curvas de crescimento da OMS: parâmetro internacional 

 

A vigilância do crescimento como instrumento de avaliação das condições de saúde e de bem-estar das crianças é uma questão que se aprimorou nos últimos anos. Até o início dos anos 2000, cada país costumava desenvolver seu próprio gráfico de crescimento. Dessa forma, durante as consultas pediátricas, o médico analisava se a criança estava seguindo a curva de crescimento esperada para sua idade e de acordo com o previsto para sua nacionalidade. 

 

No entanto, a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2006, mudou essa situação ao publicar um padrão internacional, que permite monitorar e avaliar o crescimento das crianças independentemente da origem étnica, situação socioeconômica ou tipo de alimentação. Para isso, a organização fez um grande estudo, entre os anos de 1997 e 2003, coletando dados de crescimento e informações de 8.440 bebês saudáveis de diversas origens e contextos culturais (Brasil, Gana, Índia, Noruega, Omã e EUA).  

 

O gerente médico e endocrinopediatra do Sabará Hospital Infantil,  Dr. Felipe Monti Lora, observa que os parâmetros de crescimento são dados que sempre vão precisar ser revistos, mas ressalta o avanço na unificação do referencial. “A estatura média hoje é maior que a estatura média do início do século passado. Isso é uma coisa que vai sempre ter que ser atualizada de tempos em tempos. E convencionou-se do mundo inteiro usar as curvas da OMS para que se possa comparar, por exemplo, uma criança do Brasil com uma criança na Austrália. Por que isso é importante? Quando se faz um estudo científico e se observa que as crianças que recebem determinado remédio recuperam tanto de altura, é possível fazer o mesmo estudo do outro lado do mundo e comparar.” 

 

A partir de amostras populacionais diferentes, a OMS pode comprovar também que as crianças independentemente do seu local de origem, quando expostas às condições saudáveis, têm o mesmo potencial de crescimento. Isso porque a entidade selecionou em sua análise somente crianças que cresceriam em um ambiente considerado ideal, – com práticas recomendadas de alimentação, bons cuidados de saúde, mães que não fumavam, entre outros -, e que, posteriormente, apresentaram crescimento médio semelhante. Nesse sentido, a organização, quando divulgou os estudos, reforçou a importância do uso da ferramenta: “Com esses novos padrões, pais, médicos, legisladores e defensores das crianças saberão quando as necessidades de nutrição e saúde das crianças não estiverem sendo atendidas”. 

 

Toda consulta pediátrica deve analisar as curvas de crescimento?

 

A OMS disponibilizou um conjunto de gráficos para análise do crescimento, que além da altura, também avaliam o peso e a medida da circunferência da cabeça (perímetro encefálico). As curvas desenvolvidas permitem a avaliação de crianças e também de adolescentes, pois os dados de referência oferecidos pela organização consideram do nascimento aos 19 anos de idade. Somente há distinção nas curvas em relação ao sexo, pois meninas e meninos possuem padrões diferentes de crescimento. 

 

Tanto o Ministério da Saúde quanto a Sociedade Brasileira de Pediatria orientam a utilização das curvas da OMS durante as consultas periódicas de pediatria. O Dr. Lora reafirma a importância da coleta dos dados para que, em seguida, possa ser feita a correlação com os parâmetros de referência: “Faz parte da consulta de pediatria geral colocar a criança no gráfico. E se tiver alguma alteração em relação ao esperado, o pediatra deve fazer uma investigação inicial para as doenças mais comuns que causam aquela alteração. Caso não encontre o motivo, ele vai encaminhar para um especialista, que, geralmente, é um endocrinologista ou um gastroenterologista”.

 

No caso de uma criança baixa para o padrão da sua idade, o problema pode ser desencadeado, por exemplo, pela falta do hormônio do crescimento ou, então, como consequência de um quadro de desnutrição ou de uma doença gastrointestinal, entre outras situações. Ao analisar os resultados e com mais informações sobre a história do paciente, os profissionais de saúde podem fazer o diagnóstico e traçar a melhor estratégia de intervenção. O importante é que crianças e adolescentes recebam regularmente o acompanhamento do crescimento para que os desvios possam ser identificados a tempo de não prejudicar o desenvolvimento. 

 

O Sabará Hospital Infantil tem um Centro de Excelência que reúne em um mesmo lugar mais de 32 especialidades pediátricas, entre elas endocrinologistas, gastroenterologistas, nutricionistas, nutrólogos, e psicólogos. Nossos especialistas estão disponíveis para teleconsultas, e os agendamentos podem ser feitos diretamente pelo nosso site. Você também pode entrar em contato através do telefone (11) 3155-2800. Caso deseje consultar, no nosso site, é possível conferir os planos de saúde atendidos pelo nosso hospital.

 

Cálculo da estimativa de altura da criança quando adulta

 

Para além do acompanhamento com os parâmetros de referência da OMS, também é possível fazer uma análise mais individualizada considerando a influência genética. O chamado canal familiar ou estatura-alvo é um cálculo feito com base nas alturas em centímetros do pai e da mãe, para que se faça uma projeção da estatura que a criança pode atingir quando adulta. Como diversas condições ambientais e patológicas podem impactar no potencial de crescimento, é importante frisar que o resultado obtido é realmente uma estimativa.   

 

Agora vamos lá, descobrir a altura-alvo do seu filho ou da sua filha? 

 

  • Para o cálculo da estatura-alvo das meninas:

 

Estatura materna em centímetros + Estatura paterna em centímetros – 13

 

________________________________

 

                            2

 

  • Para o cálculo da estatura-alvo dos meninos:

 

Estatura materna + Estatura paterna + 13 

 

________________________________

 

                             2

 

Por exemplo: se a mãe tem 165 e o pai 180, o cálculo da estatura-alvo para a filha do casal será: 

 

165 + 180 – 13

____________

          2

 

Estatura-alvo : 345 -13 = 332 / 2 = 166 

 

Neste caso, a estatura-alvo da filha do casal é de 166 cm, o que corresponde a 1, 66 metros.  

Agora que já sabe a importância do acompanhamento da evolução do crescimento do seu filho e quais os parâmetros recomendados, fique atento a essa questão durante as consultas pediátricas. Os gráficos das curvas da OMS em português podem ser consultados no site do Ministério da Saúde. Converse com seu médico e sempre que tiver dúvidas, busque orientações.

Open chat
Cuidador Virtual