Dentição do Bebê - Hospital Sabará
 
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z

Dentição do Bebê

Os dentes de leite ou decíduos começam a “nascer” por volta do sexto mês de vida, iniciando, geralmente, pelos incisivos inferiores. Seguem a sequência de erupção os incisivos centrais e laterais superiores, com um intervalo aproximado de dois meses.

Em torno dos 15 meses de vida, saem os primeiros molares superiores; a seguir, os inferiores; depois, os caninos; e, aos 18 meses, os segundos molares inferiores, seguidos pelos segundos molares superiores, aos 24 meses.

Quando o seu bebê completar dois ou três anos, ele deverá ter 20 dentes de leite na boca: dez dentes superiores e dez dentes inferiores (veja a figura 1).


Fonte:
Sociedade Brasileira de Pediatria – SBP

 

A erupção dentária é um processo natural, mas que pode ser um momento difícil para alguns bebês. Cada criança tem o seu próprio tempo para o surgimento dos dentes. Este processo pode ser alterado devido a mudanças nas condições de saúde ou do ambiente da criança. Existem alguns sinais e sintomas que são relatados pelos pais,nesta fase, tais como:

  1. Sialorreia (salivação excessiva ou babação)
  2. Diarreia
  3. Sonolência ou agitação, irritabilidade
  4. Erupções cutâneas
  5. Febre
  6. Inapetência (falta de apetite)
  7. Insônia

Os sintomas apresentados durante a fase de erupção dos dentes de leite não podem ser unicamente atribuídos a esse processo; além disso, são transitórios e não comprometem o estado geral da criança.

Como aliviar os sintomas
Objetos como anéis de dentição, mordedores e brinquedos flexíveis podem aliviar a dor e o incômodo, assim como manter a calma, oferecer carinho e aconchego.

Em casos pontuais, um analgésico poderá ser administrado, desde que receitado pelo médico da criança.

Limpeza

O bebê deve visitar o dentista assim que o primeiro dente aparecer. O dentista fará um exame e ensinará como cuidar dos dentes do seu filho.

Antes dos dentes aparecerem, se for realizar alguma limpeza oral, utilize apenas uma gaze ou pano com água. Depois da erupção dos primeiros dentes de leite, a higiene oral do seu bebê deve ser realizada da mesma maneira que a dos outros membros da família, isto é, como a primeira tarefa da manhã e a última tarefa da noite e, se possível, depois das refeições. Uma escova especial para crianças é necessária, idealmente com uma cabeça pequena e cerdas super macias.

Use um creme dental adequado para bebês, uma vez que existe o risco do bebê engolir um pouco do produto. A presença de flúor no creme dental é muito importante para prevenir cárie dentária. Use apenas uma pequena quantidade de creme (apenas uma quantidade mínima, equivalente a um grão cru de arroz: 0,01 g.).

 

Doenças orais mais comuns

Cárie dentária e doença periodontal podem ocorrer e serem tratadas em qualquer idade. A prevenção é sempre a melhor solução.

É possível corrigir discrepâncias nas arcadas dentárias com exercícios de fisioterapia oral e usando aparelho ortodôntico (removível ou fixo).

Halitose (mau hálito) em crianças frequentemente acontece devido a secreção nasal posterior e saburra lingual (falta de higiene na língua).

Erosão dentária é a perda progressiva de estruturas dentárias sem a presença de bactérias. Isso acontece devido a exposições crônicas a ácidos em alimentos, bebidas, medicação, vômitos frequentes ou refluxo gástrico. Baixo fluxo salivar e alterações da composição da saliva podem agravar a situação, e comumente estão associados a outros hábitos – como ranger e atritar – que elevam ainda mais a perda de tecido dentário.

Podem estar presentes na boca outras alterações não tão comuns, como a diminuição de saliva, aftas, herpes, candidíase, hemangioma. É por isso que é importante visitar o seu dentista regularmente. Pais e responsáveis devem inspecionar a boca da criança regularmente.

Algumas síndromes e doenças sistêmicas podem alterar o momento e a sequência da erupção dentária, e até mesmo promover o aparecimento de algumas doenças orais. Por exemplo, um indivíduo portador de diabetes possui maior risco de desenvolver doença periodontal; e consequentemente isso vai descompensar o controle glicêmico.

Outro exemplo é a criança que respira pela boca (respirador oral), diminuindo a quantidade de saliva e aumentando o risco de cáries dentárias e doenças periodontais, podendo alterar o desenvolvimento da arcada dentária e da postura.

Fonte: Guia de Saúde Oral Materno-Infantil (Sociedade Brasileira de Pediatria – SBP)

 



Open chat
Cuidador Virtual