Picadas de Cobras, Escorpiões e Aranhas - Cuidados - Hospital Sabará
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z

Picadas de Cobras, Escorpiões e Aranhas – Cuidados

Animais peçonhentos, ou seja, aqueles que produzem peçonha ou veneno, são muito comuns em zonas rurais, mas também estão presentes em áreas urbanas. E acidentes envolvendo picada desses animais são relativamente frequentes. Saiba o que fazer para evitá-los ou como proceder se isso ocorrer.

Evite acidentes

  • Geralmente, as cobras picam do joelho para baixo, portanto, o uso de botas de cano alto evita até 80% dos acidentes. Mas, antes de calçá-las, verifique se dentro delas não há cobras, aranhas ou outros animais peçonhentos.
  • Verifique toalhas de banho e roupas de cama.
  • Evite andar descalço, se você viver em áreas de ocorrência desses animais.
  • Proteja as mãos, não enfie as mãos em tocas, cupinzeiros, ocos de troncos etc. Use um pedaço de pau se for preciso.

Limpeza é importante

Acabe com os ratos, eles atraem cobras. Mantenha sempre limpos os terrenos, quintais e plantações. Não acumule entulho e lixo, para não atrair baratas e outros insetos, que são os alimentos preferidos dos escorpiões. Pedaços de madeira e outros restos de materiais também podem ser ótimos esconderijos para eles.
Sapos, corujas, seriemas, pássaros, galinhas e macacos podem ajudar, pois esses animais se alimentam de escorpiões e roedores.

Equilíbrio ecológico

Preserve os predadores. Emas, seriemas, gaviões, gambás e a cobra muçurana são os predadores naturais das cobras venenosas e garantem o equilíbrio do ecossistema.
Conserve o meio ambiente: desmatamentos e queimadas devem ser evitados. Além de destruir a natureza, provocam mudanças de hábitos dos animais, que se refugiam em paióis, celeiros ou mesmo dentro das casas.

Mantenha os escorpiões afastados

Para manter escorpiões afastados, limpe o quintal ou jardim com frequência. Se encontrar um escorpião, não o mate. Coloque-o dentro de um frasco de tampa furada, contendo algodão ou trapo umedecido com água, e envie o frasco ao Instituto Butantan. Com o veneno do escorpião vivo é feito o soro.

O QUE NÃO FAZER EM HIPÓTESE NENHUMA

  • Torniquete ou garrote.
  • Cortar ou perfurar o local (ou próximo) da picada.
  • Colocar folhas, pó de café ou qualquer substância que possa contaminar a ferida.
  • Oferecer bebidas alcoólicas, querosene ou qualquer outro líquido tóxico.
  • Fazer uso de qualquer prática caseira que possa retardar o atendimento médico. Um procedimento que não é recomendado pelo Instituto Butantan, mas que era feito até há algum tempo atrás, na impossibilidade do transporte imediato do acidentado para um posto médico, logo após a picada, é puncionar em volta da picada com uma agulha esterilizada (uns 15 a 20 furos) e chupar o sangue que sair, cuspindo-o em seguida. Porém, nunca faça isso se você tiver cárie ou ferida na boca.

O QUE FAZER:

  • Não perca tempo em procurar ajuda, pois o tratamento deve ser feito o mais rápido possível.
  • Deitar e acalmar a vítima; o acidentado não deve se locomover com os próprios meios.
  • Lavar o local da picada apenas com água ou com água e sabão.
  • Aplicar compressa de gelo no local.
  • Transportar (em maca) a vítima ao médico mais próximo, para tratamento (aplicação do soro).
  • SEMPRE QUE POSSÍVEL, levar junto a cobra (viva ou morta), para identificação.

Atenção!!!

O Hospital Vital Brazil, que funciona dentro da área do Instituto Butantan, permanece aberto dia e noite. O tratamento é gratuito para qualquer pessoa picada por animais peçonhentos.
Em caso de picada, procure imediatamente um médico, levando, se possível, o animal para ser identificado.

HOSPITAL VITAL BRAZIL

Especializado no tratamento de acidentes por animais peçonhentos
Assistência médica gratuita/orientação telefônica 24 horas por dia
Av. Vital Brasil, 1.500 – Butantã – CEP: 05503-900 – São Paulo – SP
Tels.: (11) 3726-7962 e (11) 3726-7222 – ramais 2002 / 2000
Fax: (11) 3726-7222 – ramal 2000
Email: hospital@butantan.gov.br

Alguns Soros produzidos pelo Instituto Butantan:

  • Antibotrópico, para acidentes com jararaca, jararacuçu, urutu
  • Anticrotálico, para acidentes com cascavel
  • Antilaquético, para acidentes com surucucu
  • Antielapídico, para acidentes com coral
  • Antiaracnídico, para acidentes com aranhas (armadeira e marrom)
  • Antiescorpiónico, para acidentes com escorpiões
  • Anilonomia, para acidentes com taturanas do gênero Lonomia

Fonte: Instituto Butantan
Universidade Federal Fluminense
Autor: Dr. José Luiz Setúbal
15/4/2011