A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z
O conteúdo original deste artigo é em espanhol e é traduzido automaticamente, sendo possível visualizar a versão original a qualquer momento. Faz parte da Health Library, uma biblioteca de saúde produzida pela empresa EBSCO, e é revisado e atualizado regularmente. As informações não devem ser usadas como um substituto para o cuidado médico e orientação de seu pediatra.

Caso tenha alguma dúvida a respeito do conteúdo desta página, entre em contato com site@sabara.com.br

Veja o conteúdo original em espanhol

Feocromocitoma


Autor: Amy Scholten, MPH

Definição

Feocromocitoma é um tumor. É composto de células especiais da glândula adrenal. Essas células secretam hormônios como epinefrina e norepinefrina. Esses hormônios ajudam a regular o batimento cardíaco e a pressão sanguínea. As células podem secretar quantidades excessivas de hormônios. Isto tem como conseqüência períodos de:

  • Pressão arterial muito alta
  • Pulsação acelerada ou palpitações
  • Sudorese excessiva
  • Dores de cabeça severas

A maioria desses tumores é benigna (não cancerosa). Aproximadamente 10% dos tumores são malignos (cancerosos). A maioria dos tumores cresce nas glândulas supra-renais. As glândulas estão nos rins. Aproximadamente 10% a 20% dos tumores ocorrem em outras partes do corpo.

Glândulas supra-renais

Imagem informativa do núcleo

Direitos autorais © Nucleus Medical Media, Inc.



Causas

A causa ainda é desconhecida. Os cientistas suspeitam de um relacionamento genético.



Fatores de Risco

Fatores associados ao feocromocitoma incluem:

  • História familiar de feocromocitoma, tumores em outras glândulas do corpo ou outros distúrbios hormonais
  • Doenças genéticas, incluindo:
    • Doença de Von Hippel-Lindau
    • Neoplasia endócrina múltipla tipo 2
    • Neurofibromatose tipo 1
    • Síndromes paraganglioma


Sintomas

Até 50% dos pacientes não apresentam sintomas. Este tumor é descoberto durante a investigação de algumas doenças não relacionadas.

Os sintomas podem ocorrer muitas vezes durante o dia. Eles também podem ocorrer tão raramente quanto uma vez a cada vários meses. Podem aparecer sintomas de pressão no tumor (durante uma massagem), medicamentos (como anestesia e betabloqueadores) ou emoções intensas. Os sintomas podem incluir:

  • Dores de cabeça severas
  • Sudorese excessiva
  • Batimento cardíaco acelerado ( taquicardia )
  • Sensação de um ataque de pânico
  • Mudanças na visão (visão turva)
  • Náusea, vômito, constipação
  • Pulsação forte (palpitações)
  • Dor no peito
  • Movimentos de agitação involuntários (tremores)
  • Dor na parte inferior do tórax ou abdome superior
  • Calor, corando
  • Aumento do apetite
  • Perda de peso
  • Insônia
  • Pressão alta (esporadicamente ou constantemente)
  • Formigamento, queimação ou dormência nas pernas e pés
  • Falta de ar
  • Fraqueza muscular
  • Ansiedade
  • Temperatura intolerante a alta


Diagnósticos

O médico irá elaborar um histórico médico. Você terá um exame físico. O diagnóstico de feocromocitoma pode incluir os seguintes testes:

  • Teste de urina de 24 horas: para medir as quantidades de catecolaminas (um grupo de hormônios produzidos pelas glândulas supra-renais perto dos rins), incluindo epinefrina e norepinefrina e seus subprodutos (metanefrinas)
  • Exame de sangue: medir catecolaminas e metanefrinas
  • Teste de supressão de clonidina: uma dose de clonidina é administrada e os níveis sanguíneos de norepinefrina são avaliados
  • Tomografia computadorizada – um tipo de raio-x que usa um computador para tirar fotos de estruturas dentro do corpo. É usado para diagnosticar a presença de tumores
  • Ultra-som – um teste não invasivo que usa ondas sonoras, que podem ser usadas para ajudar a detectar tumores adrenais
  • Ressonância magnética (MRI) – um teste que utiliza ondas magnéticas para produzir imagens transversais ou tridimensionais de tecidos corporais
  • MIBG scan (ou imagem da medula adrenal) -um teste de imagem para diagnosticar tumores adrenais, em que pequenas quantidades de materiais radioativos são injetados no corpo
  • Tomografia por emissão de pósitrons com fluorodopamina: usada quando exames de sangue indicam a presença de feocromocitoma, mas outro exame de imagem não revela a presença do tumor


Tratamento

Adrenalectomia laparoscópica

Se o tumor é benigno, é removido. Este procedimento usa pequenas incisões e instrumentos especiais.

Às vezes, as glândulas supra-renais são removidas como parte desse processo.

Medicamentos

Antes da cirurgia, a pressão alta deve ser controlada com:

  • Primeiro a droga fenoxibenzamina
  • Seguido por agentes anti-hipertensivos beta-bloqueadores

Quimioterapia

Pode ser usado se o tumor for canceroso e se espalhar para fora das glândulas supra-renais. Inclui o uso de:

  • Dacarbazina
  • Vincristina
  • Ciclofosfamida

Radiação também pode ser usada. É usado para destruir os vasos sanguíneos que podem estar alimentando o tumor. Este processo é chamado de ablação.



Prevenção

Não existem métodos de prevenção conhecidos.



Referências

Altiner S, Dodell G, Abed J, Blackford L, Colt E. Agressão induzida por feocromocitoma? Endocr Pract. 2011; 17 (5): e126-e129 ..

Lenders JW, G Eisenhofer, Mannelli M, Pacak K. Feocromocitoma. Lancet 2005; 366 (9486): 665-675.

Mittendorf EA, DB Evans, Lee JE, ND Perrier. Feocromocitoma: avanços na genética, diagnóstico, localização e tratamento. Hematol Oncol Clin North Am. 2007; 21 (3): 509-525.

Feocromocitoma e paraganglioma. EBSCO DynaMed website. Disponível em: http://www.ebscohost.com/dynamed. Atualizado em 1º de julho de 2014. Acessado em 4 de setembro de 2014.

Widimsky J Jr. Recentes avanços no diagnóstico e tratamento do feocromacitoma. Kidney Blood Res. 2006; 29 (5): 321-326.



Copyright © 2018 EBSCO Information Services
Todos os direitos reservados.