Estenose Pulmonar Valvar - Hospital Sabará
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Z

Estenose Pulmonar Valvar

A Estenose Pulmonar Valvar (EPV) acontece quando a valva pulmonar é pequena e está doente, “apertada”, deixando passar apenas pouco fluxo de sangue para os pulmões. Quanto maior a estenose, mais apertado para o sangue passar e menos sangue será oxigenado. Além disso, o ventrículo direito também sofre, já que precisa fazer mais força para bombear o sangue para os pulmões. Com o tempo, há aumento do músculo do coração do lado direito e ele pode enfraquecer.

Pode existir também um estreitamento acima da valva pulmonar, já na artéria pulmonar, chamada de Estenose Supravalvar Pulmonar ou um estreitamento abaixo da valva pulmonar (subvalvar), geralmente causado por um músculo do coração, chamado de Estenose Pulmonar Infundíbulo valvar.

 

 



Tratamento

O cardiologista pediátrico vai avaliar a história, a clínica e os exames de cada criança. Aquelas que apresentam EPV leve, geralmente não requerem tratamento, apenas seguimento. Já aquelas com estenoses moderadas ou graves podem necessitar de intervenção por cateterismo ou por cirurgia.
  1. Cateterismo Cardíaco: pelo cateterismo é realizada a valvoplastia por cateter-balão. É o tratamento de escolha, indicado para a maioria dos pacientes. Um cateter (tubinho flexível) é levado até o coração, entrando por uma veia da perna. Neste cateter, há um pequeno balão (semelhante a uma “bexiga canudo”), que, quando posicionado na valva pulmonar, é inflado, ampliando a valva e aumentando o fluxo de sangue para os pulmões.
  2. Cirurgia Cardíaca: a cirurgia de coração aberto é realizada quando não for possível a correção por cateterismo ou quando houver insucesso da valvoplastia percutânea. Durante a cirurgia, é feita a reconstrução da valva pulmonar ou substituição da mesma por uma valva artificial.
Felizmente, o tratamento é bem sucedido e a maioria das crianças com estenose pulmonar valvar corrigida poderá levar uma vida normal, mantendo seguimento clínico com o cardiologista pediátrico conforme avaliação individualizada.

Perguntas Frequentes

1. Acontece em muitas crianças?
A EPV é a quarta cardiopatia congênita mais comum. Corresponde a cerca de 7 a 10% de todas as cardiopatias congênitas. De cada 100 mil nascidos vivos, aproximadamente 53 apresentam essa alteração no coração.