Centros de Excelência e Serviços / Departamento de Reumatologia

Visão geral

A reumatologia é a especialidade que estuda as doenças que acometem os tecidos conjuntivos, ou seja, as articulações, os ossos, os músculos os tendões e os ligamentos. Devemos ter atenção porque apesar deste conceito, muitas vezes os pacientes com doenças reumáticas podem não apresentar queixas articulares, mas sim, sinais e sintomas em outros órgãos e sistemas, podendo envolver pele, rins, coração, pulmões, olhos e sistema nervoso.
As doenças reumatológicas da infância são conhecidas por doenças inflamatórias, e diversas doenças são auto imunes, quando o nosso sistema ataca e destrói os tecidos saudáveis, por engano.
É muito importante que o diagnóstico destas doenças seja feito em tempo correto para que a criança, em fase de crescimento, tenha sua vida e desenvolvimento muito pouco afetados pela doença.

As doenças reumatológicas da infância são patologias complexas e muitas vezes pouco conhecidas, e que podem ter um impacto em diversas dimensões tanto para as crianças como para seus familiares. Estes impactos incluem incapacidade física, desgaste emocional, atraso de desenvolvimento, impacto nas atividades escolares etc.

A demora no encaminhamento para o especialista nestes casos pode levar ao atraso no diagnóstico e no tratamento destes pacientes, o que pode levar a danos permanentes.

Criança não é adulto pequeno

É de extrema importância que os pacientes com suspeita, ou com doença reumatológica seja avaliado e acompanhado desde o início pelo reumatologista pediátrico. A reumatologia, apesar de ser a mesma especialidade, tem suas particularidades na criança e no adulto. A grande maioria das pessoas acredita que as doenças reumatológicas são doenças de adultos e idosos, entretanto as crianças também podem ter doenças reumatológicas e a maior parte destas doenças evolui e acontece de maneira diferente em adultos e crianças. Inclusive algumas doenças só existem na reumatologia pediátrica e muitas são mais graves na infância.

Diversos estudos já publicados em revistas médicas comprovam que existem diferenças entre as populações até mesmo quando estamos falando da mesma doença. O lúpus, por exemplo, é mais grave, com maiores índices de complicações e infecções na criança do que no adulto. Além disso, como estamos falando de uma especialidade onde as doenças são crônicas e muitas vezes sem cura, e sim com controle, na pediatria precisamos muito de um médico que tenha experiência no manejo deste grupo de doenças justamente para educar os familiares e o próprio paciente, crianças e adolescentes, que necessitam de apoio multidisciplinar para garantirmos a aderência ao tratamento evitando complicações e otimizando a qualidade de vida a longo prazo.

Autor: Dra. Daniela Mencaroni - CRM: 144942

Atualizado em: 02/4/2020