Síndrome da Morte Súbita: como evitá-la?

Desconhecida por muitos, a síndrome da morte súbita infantil (SMSI) é principal causa de óbito entre bebês com menos de um ano e, embora afete várias famílias todos os anos, a origem desta síndrome ainda é desconhecida.

Conhecida popularmente como morte do berço, a síndrome da morte súbita é a morte abrupta de crianças com menos de 1 ano sem causa aparente. Mesmo após investigação, não é encontrado um quadro clínico de doença ou outras razões que possam explicar a morte prematura.

A síndrome da morte súbita afeta principalmente crianças do sexo masculino, que nasceram prematuros, com peso abaixo de 2,5 kg, e têm entre 2 meses e 5 meses. Bebês com mães que não realizaram pré-natal, que têm idade menor a 20 anos e que fumaram ou utilizaram algum outro tipo de droga, também correm mais riscos de apresentar o transtorno.

É importante que os pais saibam que é possível tomar precauções para evitá-la. A posição em que se coloca bebê na hora de dormir é uma delas: o ideal é colocá-lo de barriga para cima, ou ainda de lado em seu próprio berço.

Outro fator que colabora com a síndrome da morte súbita é o hábito que os pais têm de levar a criança para a cama do casal. Em vez de trazer segurança, é possível que os pais acabem sufocando o bebê ao se movimentar durante a noite. O aumento da temperatura nesses casos também é o resultado mais comum e uma característica da SMSI.

Embora não exista explicação concreta para a SMSI, alguns estudiosos acreditam que ela tem relação com uma anomalia no tronco cerebral, responsável pelo controle da respiração. A síndrome da morte súbita também pode decorrer de alterações na frequência cardíaca e na respiração enquanto a criança dorme. Distúrbios no coração também aparecem em algumas pesquisas.

 

Algumas ações de prevenção da Síndrome da Morte Súbita Infantil são:

  • Não levar o bebê para dormir na cama dos pais;
  • Sempre colocar a criança para dormir com a barriga para cima ou de lado, nunca com a barriga para baixo;
  • Não utilizar cobertas, travesseiros ou colchões que possam fazer com que o bebê afunde ou se sufoque;
  • Evitar bichos de pelúcia no berço enquanto o bebê está dormindo;
  • Não agasalhar demais a criança; colocando-lhe toucas, por exemplo;
  • Evitar a variação na temperatura, que aumenta os riscos da síndrome da morte súbita. A utilização de aquecedores no quarto do bebê é um fator que pode causar essa variação;
  • Não fumar em ambientes frequentados pelo bebê;
  • Verificar a respiração do bebê durante seu sono – pausas podem indicar apneia. Em caso de dúvida, procure um pediatra.