Doenças respiratórias tem pico de março a junho

Período gera alta demanda nos Prontos Socorros devido à maior circulação dos vírus que podem acometer paciente pediátrico de forma grave

São Paulo, 1º de abril de 2015 – O período entre os meses de março a junho é considerado época de grande pico de atendimento nos prontos-socorros. Isso se deve a chegada do outono e, consequentemente, ao ar mais seco e a maior circulação dos vírus respiratórios, que acarretam infecções das vias aéreas superiores – as gripes e os resfriados-, pneumonias, crises de asma e bronquiolites.

Nas crianças a situação pode ser mais complicada e essas doenças respiratórias podem ter uma série de sintomas semelhantes como tosse, febre, coriza e obstrução nasal (com nariz escorrendo ou não).

De acordo com o Dr. Felipe Lora, médico pediatra do Hospital Infantil Sabará, os pais devem estar atentos nessa época, pois algumas doenças são potencialmente mais graves. Em quadros mais sérios a criança pode apresentar os seguintes sintomas:

  • Falta de ar e cansaço;
  • Dificuldade para respirar: esforço maior usando músculos do pescoço e da barriga;
  • Prostração /inatividade;
  • Frequência respiratória aumentada na ausência de febre (respiração rápida).

“Estes são sinais de alerta para os pais e deve-se procurar um atendimento de urgência para avaliação da criança”, indica o pediatra.

Painel Viral

O Hospital Infantil Sabará realiza exame de Painel Viral nos pacientes internados por doença respiratória com objetivo de mapear os vírus que mais circulam entre as crianças durante o ano.

Em janeiro de 2015, das crianças internadas no Hospital por esse motivo e que coletaram painel, quase 29% teve teste positivo para algum tipo de vírus respiratório. Em março, este número já saltou para mais de 90% dos casos. Os vírus mais frequentes até a segunda semana deste mês foram o Vírus Sincicial Respiratório A e B, o Enterovírus B e o Rhinovírus.

“Os exames clínico e radiológico já são suficientes para tratamento da criança que apresenta sintomas, porém, a identificação do vírus em casos de doença respiratórias é importante para reduzir o uso desnecessário de antibióticos”, afirma Dr. Francisco Ivanildo de Oliveira, infectologista do Hospital Sabará.

Alta demanda

Com o grande volume de casos de doenças respiratórias neste período, a demanda acaba por suplantar a capacidade dos prontos socorros e na área de espera as crianças e adultos doentes podem se proteger e ainda evitar o contágio de mais pessoas por determinados vírus. p>

“Os serviços de saúde podem oferecer à família máscara e lenço para evitar a proliferação do vírus. Além disso, o uso do álcool em gel é essencial”, completa Dr. Felipe Lora.

Dicas

No pronto socorro:

  • Proteger com lenços (preferencialmente descartáveis) a boca e o nariz ao tossir ou espirrar;
  • Utilizar máscaras nas crianças que apresentarem sintomas respiratórios;
  • Higienizar frequentemente as mãos com gel alcoólico.
  • Nas demais situações:

  • Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies;
  • Higienizar as mãos com água e sabonete quando estiverem visivelmente sujas;
  • Manter os ambientes ventilados;
  • Ficar em repouso, manter uma alimentação balanceada e aumentar a ingestão de líquidos;
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados;
  • Aplicar a vacina contra influenza (gripe), principalmente nas crianças com maior risco de complicações (menores de 2 anos e crianças de qualquer idade com doenças crônicas ou imunodeficiência)

Sobre o Hospital Infantil Sabará

O Hospital Infantil Sabará, instalado em um moderno edifício de 17 andares na avenida Angélica, no Centro da capital paulista, opera segundo o conceito de "Children's Hospital". Este modelo assistencial conta com a retaguarda em todas as especialidades pediátricas, tais como Neurologia, Nefrologia, Cardiologia, Oncologia, Ortopedia, Urologia, Gastroenterologia, Cirurgia Pediátrica e Anestesia, num modelo multidisciplinar integrado e altamente resolutivo de atenção à criança.

O Sabará é o primeiro hospital exclusivamente pediátrico no Estado de São Paulo a conquistar a acreditação da Joint Comission International (JCI) – mais importante órgão certificador dos serviços de instituições de saúde no mundo. A acreditação é um instrumento que avalia desde a estrutura hospitalar às práticas de gerenciamento e cuidados com o paciente, garantindo o tratamento adequado e a assistência necessária em todos os âmbitos. Para atender às exigências das metas internacionais e estar no mesmo patamar de instituições que possuem um padrão internacional em saúde, o Hospital Infantil Sabará investiu mais de R1 4 milhões e passou por um rigoroso processo de avaliação que abrange mais de 1,3 mil itens em todos os serviços como atendimento, gestão, infraestrutura e qualificação profissional.

Informações para Imprensa

Marisa Oliveira – Assessora de imprensa
marisa.oliveira@sabara.com.br
Tel: (11) 2155-9338

Mais informações:

Site
Facebook
Twitter
YouTube
Blog
Instagram

TOPO DA PÁGINA