Videogame Traz Doença de Adulto ao Universo Infantil.

Devido ao uso frequente do brinquedo, mais crianças sofrem de dores musculares e algumas já recebem o diagnóstico de LER (Lesões por Esforços Repetitivos). Sintomas podem passar desapercebidos

São Paulo, junho de 2011 - Mais uma doença de adulto está se propagando no universo das crianças. O diagnóstico de LER (Lesões por Esforços Repetitivos) ou apenas alguns de seus sintomas, como dor nas articulações e nas costas, tem sido apontado por pediatras.

Diferentemente dos mais velhos que adquirem a doença nos trabalhos repetitivos e manuais, os pequenos desenvolvem o problema nos momentos de lazer, quando ficam horas no videogame e até no computador.

“Os videogames existem há 30 anos, mas ver crianças com queixas de dor pelo corpo por causa deles é algo novo no consultório. Embora não sejam os únicos vilões do problema, há ainda o sedentarismo, a má postura e a obesidade precoce que contribuem para o aumento de queixas de dores musculares em jovens”, adverte o ortopedista pediátrico e especialista em cirurgia da mão Diego Falcochio, do Hospital Infantil Sabará.

Como esses brinquedos digitais fazem parte do cotidiano, o que acontece na prática, lembra o médico, é que o paciente pediátrico se queixa de dor, mas nem sempre os pais dão atenção ao sintoma ou ao o que está provocando a reclamação. “Como nem todas as crianças têm maturidade para expressar o que estão sentindo, a dor, que pode ser na mão, braço, pescoço, pernas, cabeça e costas, passa desapercebida, podendo chegar a uma tendinite (inflamação no tendão) e perda de qualidade de vida.”

O Dr. Diego ainda faz uma ponderação, embora não existam pesquisas suficientes para constatar graves lesões em longo prazo geradas pelo videogame, caso sejam confirmadas com o tempo, esses jovens poderão já chegar ao mercado de trabalho com LER. “Por isso, o melhor que os pais devem fazer para os filhos é ensinar o equilíbrio. Ou seja, há hora certa pra brincar ao ar livre, pra jogar videogame, tempo para praticar atividade física, pra estudar”, aconselha o especialista.

Se o problema for diagnosticado, o tratamento costuma envolver medicamentos, como os antiinflamatórios, e alongamento. É importante, no entanto, evitar a automedicação. Na dúvida, indica o médico, é importante procurar ajuda profissional para identificar sintomas e apontar o que está levando a essas dores pelo corpo.

Tradicionalmente conhecido por sua eficiência e bons resultados, o Hospital Infantil Sabará nasceu no início dos anos 60, quando um grupo de médicos pediatras resolveu criar um serviço diferenciado. A partir daí o complexo hospitalar se firmou como centro de referência na área, sendo o primeiro hospital a inaugurar uma UTI pediátrica em 1974. Desde setembro de 2010, o hospital atende na Avenida Angélica, nº 1.987, no bairro de Higienópolis (SP), em um novo prédio de 17 andares que tem um conceito moderno e inovador.