Dor de Barriga Pode Sinalizar Gastrite em Crianças

Beijar na boca e dividir o talher com os pequenos são hábitos que devem ser evitados, pois facilitam contaminação por bactéria que causa inflamação na mucosa do estômago

São Paulo, julho de 2010 - É cada dia mais comum encontrar crianças que procuram os consultórios dos pediatras com queixas de gastrite, doença que se caracteriza pela inflamação da mucosa do estômago.

"Além do estresse, fator de risco importante para a gastrite, há outras causas por trás da doença, como a predisposição genética, maus hábitos alimentares e uso indevido de determinados medicamentos", diz a gastroenterologista pediátrica Izaura Ramos Assumpção, do Hospital Infantil Sabará.

Como hoje as comidas prontas, congeladas e os temperos industrializados são opções práticas, lembra a médica, muitos pais optam por elas para poupar tempo. "Ricas em sódio, corantes e outras substâncias irritantes são um perigo, ou seja, podem levar à gastrite e até úlceras", esclarece.

O uso recorrente de antiinflamatórios e de antibióticos, sem a indicação adequada, é outro agravante. "Esses medicamentos possuem substâncias que podem causar lesões na mucosa do estômago. Na dúvida diante de uma enfermidade, o ideal é procurar um médico antes de recorrer a um medicamento", recomenda.

Assim como nos adultos a contaminação pela bactéria Helicobacter pylori também pode explicar a gastrite. Pesquisa da Unicamp, de 2009, mostrou que o microorganismo atinge 47,8% das crianças de famílias de baixa renda. Embora o mecanismo de transmissão desse microorganismo não esteja completamente definido, a via oral e condições precárias de saneamento básico podem explicar o contágio.

A pediatra ainda ressalta: "O péssimo habito de dar colheradas para criança com o mesmo talher que o do adulto e os beijinhos na boca dos pequenos são outros meios de transmissão da bactéria".

Como nem sempre os menores são capazes de explicar o que sentem, é importante que os pais fiquem atentos quando ouvirem queixas de dor e desconforto abdominal, queimação, episódios frequentes de vômitos e perda de apetite. Em casos mais raros, ocorrem ainda vômitos com sangramentos.

"Além dos sintomas relatados acima, é importante que os pais prestem atenção na qualidade de vida dos pequenos. Isso porque crianças que sofrem com gastrite costumam evitar as atividades de rotina por causa da sensação de dor e estão sempre irritadas e indispostas", afirma a especialista.

Vale lembrar, no entanto, que a dor abdominal é comum em pacientes pediátricos. "A gastrite, no entanto, não é a causa mais frequente do sintoma. Por isso, o acompanhamento médico é essencial para o diagnóstico diferencial", destaca.

O tratamento para gastrite pode ser feito com medicamentos específicos que reduzem a secreção ácida do estômago. Mas a mudança nos hábitos alimentares também é essencial. De acordo com a gastroenterologista pediátrica, quem sofre com o problema deve evitar alimentos gordurosos, apimentados, além de ácidos, como algumas frutas. "O ideal é seguir uma dieta saudável e alimentar-se a cada três horas", recomenda.

Mas e o leite, pode atenuar os sintomas? "A princípio ele ajuda a aliviar os sintomas por ser alcalinizante, diminuindo a acidez, com o tempo perde o efeito devido ao efeito rebote. Ou seja, a acidez aumenta e a sensação piora", responde.

Sobre a Fundação Hospital Infantil Sabará

Tradicionalmente conhecido por sua eficiência e bons resultados, o Hospital Infantil Sabará nasceu no início dos anos 60, quando um grupo de médicos pediatras resolveu criar um serviço diferenciado. A partir daí, o complexo hospitalar se firmou como centro de referência na área, sendo o primeiro hospital a inaugurar uma UTI pediátrica em 1974. No segundo semestres deste ano, o hospital passa a atender na Avenida Angélica, nº 1.987, no bairro de Higienópolis (SP), em um novo prédio de 17 andares que tem um conceito moderno e inovador. Acesse o site do hospital Hospital Infantil Sabará..