Humanização Hospitalar



 

Desde o início da década de 50, com o surgimento dos primeiros equipamentos mais sofisticados e das UTIs, foi havendo um distanciamento dos profissionais de saúde em relação aos pacientes. Nos anos 60 e 70 iniciaram em todo o Mundo um movimento de “humanização” dos hospitais, na tentativa de recuperar  a proximidade com o doente e os assistentes de saúde.

O hospital Infantil Sabará, em seus 50 anos sempre teve esta preocupação, e isto sempre foi uma marca de seu atendimento e um diferencial em relação aos outros hospitais.

Quando iniciamos a idéia de construir um novo hospital, fizemos questão de ter uma equipe multidisciplinar onde arquitetos com diferentes formações pensassem num hospital  diferente, onde a humanização estaria sendo pensada desde o início do projeto.

Para isto montamos uma equipe que era coordenada pelo arquiteto (e médico) Domingos Fiorentini, especialista em arquitetura hospitalar. Diana Malzoni, que seria responsável pela decoração de interiores, procurando quebrar um pouco o ambiente austero de um hospital. Guinter Parshalk, arquiteto especializado em luminotécnica e sustentabilidade, e que deveria fazer com que a luz do hospital tivesse efeito desejado para acalmar ou estimular, criar cenários e ao mesmo tempo um pensamento de sustentabilidade ambiental. Finalmente a ilustradora Cecília Esteves e a paisagista e arquiteto de espaços lúdicos Ciça Gorski, que iriam criar um ambiente lúdico, bonito e acolhedor.

Tdoos eles juntos, e com a cooperação do corpo técnico do hospital, criaram um ambiente inigualável em hospitais de São Paulo, criando um ambiente realmente acolhedor, onde há espaço para crianças de todas as idades, sem que elas se sintam constrangidas por serem crescidas e não querem ser confundidas com bebês, ou ambientes nos quais os bebês se sintam confortáveis, com brinquedos adequados para sua idade.

Como se vê, o hospital foi construído pensando em seu púbico alvo, ou seja, crianças de zero a dezoito anos, em seus familiares e nos funcionários e prestadores de serviços dentro do hospital.

O conceito de humanização extrapola o projeto de arquitetura e se espalha na formação e capacitação dos profissionais que atendem em nosso serviço, e aproveitamos nossa experiência de 50 anos para ir a fundo nisto. Conseguimos mesclar um atendimento carinhoso, acolhedor com o que há de mais moderno em termos de tecnologia e as últimas tendências dos protocolos médicos e técnicos utilizados nos maiores centros de referência em pediatria.

Contamos com brinquedoteca ou espaços lúdicos em todos as unidades de internação, temos visitas de músicos, brinquedistas  e de contadores de histórias. Nosso corpo de enfermagem faz preparo para cirurgias e utilizam em brinquedos terapêuticos para que os pacientes entendam o que será feito e ensinar alguma técnica, como por exemplo, a aplicação de insulina nos pacientes diabéticos.

Como se vê, a Humanização é para nós do Hospital Infantil Sabará, muito mais que um projeto, é um conceito que permeia toda a Instituição, desde seu presidente ao mais humilde dos funcionários, tanto que está na placa que marca a inauguração do prédio:

 

“Onde houver amor pela arte da medicina,

também haverá amor pela humanidade”

Hipócrates – 400 a.C.

E também em nossos valores:

 

Crianças e seus Familiares
 

Cuidar da criança e de sua família é nossa razão de existir.

Fazemos isso com compaixão, acolhimento e respeito.
 

Este é o nosso diferencial, afinal o Hospital Infantil Sabará depois de você, quem mais entende de seu filho.

 

José Luiz Setúbal

Presidente da Fundação Hospital Infantil Sabará




Veja mais textos e informações úteis em nosso Blog sobre a saúde infantil - http://saudeinfantil.blog.br/

TOPO DA PÁGINA