Febre e infecções comuns em crianças



•  resfriados;
•  gripes;
•  infecções de ouvidos;
•  infecções de gargantas;
•  sinusite;
•  bronquiolites;
•  pneumonia;
•  conjuntivites;
•  diarreia, vômitos e desidratação.
•  Infecção urinária;

Houve um tempo em que muitas crianças morriam por causa de infecções, mas hoje em dia, com o uso de vacinas e dos antibióticos que protegem de várias doenças, isso não ocorre mais. Mas não se pode imunizar as crianças para todas as doenças, portanto, fiquem atentos aos sinais e sintomas que estarão mencionados para saber sobre a necessidade de procurar serviços médicos.

A maioria das infecções na infância é causada por vírus, mas também podem ser ocasionadas por bactérias, fungos e mesmo parasitas, como protozoários. As doenças viróticas, geralmente, não necessitam de uso de antibióticos e são chamadas de auto limitadas, já que o próprio organismo se encarregará de se proteger delas. Ao contrário, as enfermidades causadas por bactérias irão necessitar, na maioria das vezes, do uso de antibióticos.

As crianças, quando nascem, têm a proteção dos anticorpos maternos, passados durante a gestação. Eles ficarão ativos por mais ou menos 6 meses, quando o sistema imunológico do pequeno já produzirá as próprias substâncias de defesa. Elas podem ser produzidas por estímulo de vacinas (esta é uma das razões de serem dadas tantas, no início da vida) ou pelo contato com os agentes produtores das doenças (vírus, bactérias, etc.). Esta fase de produção de anticorpos é muito intensa nos 4 primeiros anos de idade, pois a criança com o aumento de seus contatos sociais (escola, clubes, shoppings centres, etc.) estará sempre mais propensa a ficar enferma, são as famosas viroses que os pediatras pedem para não se preocupar.

Normalmente, o sintoma mais frequente das doenças infecciosas é a febre, mas o que é febre? É o aumento da temperatura acima de 37°C, quando medida na axila (o que é mais comum entre nós) ou acima de 37,5°C, avaliada oralmente ou ainda acima de 38°C, quando medida no reto. O organismo infectado reage com febre para ajudar o sistema imunológico a combater a infecção, por isso os pediatras pedem para que só use medicação para abaixar a temperatura (antitérmicos), quando ela estiver acima de 37,8°C ou 38°C (temperatura axilar). Além de medicações antitérmicas, pode-se usar banhos mornos para abaixar a temperatura.

Obs.: recém nascidos ou crianças com até 2 meses de vida com febre, devem sempre passar por avaliação médica.

A medição da temperatura pode ser feita por meio de vários tipos de termômetros, como os de vidro com mercúrio, digitais, de ouvidos, de tiras que mudam de cor. Veja no manual para saber os procedimentos para uma medição correta. Tenha sempre um em casa e saiba como usá-lo, pois o fornecimento da temperatura certa, ajudará o pediatra e também no uso de antitérmicos.

O grande medo dos pais com o aumento da temperatura ocorre pelo conhecimento de que a febre pode causar convulsões. Isso é verdade, mas é um fato que acontece raramente (menos de 4% das crianças) e geralmente a convulsão febril só acontece uma vez na vida (75% das crianças), ocorre quando a temperatura sobe rapidamente. Normalmente, acontece de 6 meses a 5, 6 anos de idade, sendo muito mais raro a partir desta idade. A intensidade da temperatura não tem relação com a gravidade da doença, isto é, você pode ter febre alta num resfriado e ter uma pneumonia com temperaturas baixas.

Leia mais sobre febre em:

O termômetro ideal para medir a febre
Febre: entenda o que é e saiba como reconhecê-la




Veja mais textos e informações úteis em nosso Blog sobre a saúde infantil - http://saudeinfantil.blog.br/

TOPO DA PÁGINA