Febre do carrapato ou febre maculosa



Nos últimos dias tivemos notícias pela mídia de uma doença pouco comum, a Febre do carrapato ou febre maculosa, pela repercussão dos casos, vamos esclarecer o que é febre maculosa.

Nota da vigilância epidemiológica:

Vigilância Epidemiológica –

CVE “Prof. Alexandre Vranjac”/SES/SP, Divisão de Zoonoses e Doenças Transmitidas por Vetor-agosto 2005.

 A Febre Maculosa Brasileira (FMB) é doença de notificação compulsória no Estado de São Paulo desde 2002. Até a década de 80, os casos eram provenientes dos Municípios de Mogi das Cruzes, Diadema e Santo André, todos da região metropolitana de São Paulo. A partir de 1985, foram constatadas as primeiras suspeitas nos Municípios de Pedreira e Jaguariúna, na época pertencentes à região de saúde de São João da Boa Vista. Em 1987, têm-se os primeiros casos confirmados laboratorialmente no Município de Pedreira. A partir de então, vários casos suspeitos foram confirmados nas regiões de Campinas e São João da Boa Vista. Além destas, outras regiões do Estado apresentam casos confirmados de FMB: Piracicaba, Salto, Mogi das Cruzes, Santo André, São Bernardo, Diadema, Ribeirão Pires, Mauá e município de São Paulo, Ribeirão Preto.

Nas últimas duas décadas, vem aumentando a importância da febre maculosa enquanto agravo de saúde pública. Essa importância se justifica pelo crescente número de casos diagnosticados, elevadas taxas de letalidade, expansão das áreas de transmissão, não se restringindo a áreas rurais e de mata. A ocorrência de casos em áreas urbanas e peri-urbanas demonstra mudanças na ecologia da doença.

 

Histórico e epidemiologia

 A primeira descrição clínica da febre maculosa foi feita em 1899 em caso ocorrido na região montanhosa do noroeste norte-americano. Nos Estados Unidos a denominação de Febre Maculosa das Montanhas Rochosas. A partir da década de trinta a doença passou a ser identificada focalmente em diversos países como o Canadá, México, Panamá, Colômbia e Brasil.                                                                         

No Brasil, foi reconhecida pela primeira vez no Estado de São Paulo no ano de 1929. A partir daí foram diagnosticados casos nos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais. ( febre maculosa brasileira é também chamada febre maculosa de São Paulo).

Aspectos clínicos da doença

A doença é transmitida por um carrapato (Amblyomma cajennense) – figura 1 - que normalmente está infectado por uma bactéria que se chama rikétsia (R.rickettsii ) e esta bactéria que vai causar a doença.  

 

Fig. 1 - Carrapato transmissor de febre maculosa (Amblyomma cajennense). A: vista superior. B: vista inferior.Fonte: Mem. Inst. Oswaldo Cruz. 59(2): 115-130 - Jul., 1961

O carrapato se alimenta de sangue de vários animais (galinhas, perus; aves silvestres - seriemas; mamíferos - cavalo, boi, carneiro, cabra, cão, porco, veado, capivara, cachorro do mato, coelho, cotia, coati, tatu, tamanduá; animais de sangue frio – ofídeos) e geralmente já está infectado com a bactéria, que passara para o sangue do animal picado. A transmissão ocorre pela picada de carrapato infectado. Para que a rikétsia se reative e possa ocorrer a infecção no homem, há necessidade que o carrapato fique aderido por algumas horas (de 4 a 6 h.). Pode também ocorrer contaminação através de lesões na pele, pelo esmagamento do carrapato. A susceptibilidade das pessoas a doença é geral e a imunidade provavelmente é duradoura

O período de incubação varia de 2 a 14 dias após a picada (média de 7 dias) e os sintomas tem início súbito, comfebre de moderada a alta que dura geralmente de 2 a 3 semanas, acompanhada de dor de cabeçacalafrios, congestão das conjuntivas (olhos vermelhos). Ao terceiro ou quarto dia pode se apresentar manchas róseas nas extremidades e em torno do punho e tornozelo, de onde se irradia para o tronco, face, pescoço, palmas e solas.Pequenos sangramentos de pele são freqüentes. A doença pode também ser assintomática ou com sintomas leves.

 Alguns casos, porém, evoluem gravemente, ocorrendo necrose nas áreas de sufusões hemorrágicas, em decorrência de vasculite generalizada. Torpor, agitação psicomotora, sinais meníngeos são freqüentes, assim como face avermelhada e infiltrada, e infecção conjuntival, com inchaço palpebral e nas pernas, que se apresentam brilhantes.

A letalidade é aproximadamente de 20% na ausência de uma terapia específica. A morte é pouco comum quando se aplica o tratamento precocemente

PORTANTO, NA SUSPEITA DE FEBRE MACULOSA, PROCURAR SERVIÇO MÉDICO O MAIS PRECOCE POSSÍVEL.

Profilaxia

 As medidas de controle mais importantes estão na área de educação em saúde, e como o controle do carrapato não é facilmente exeqüível, o alerta á população para evitar áreas com carrapato ou retirá-los o mais rápido possível ao ser parasitado passa a ser fundamental. Ao lado disso estar ciente para procurar prontamente um serviço médico caso apresente sintomas, dias após haver sido parasitado, também é imprescindível.

- Ter em mente quais são as áreas consideradas endêmicas para a febre maculosa.     - Evitar caminhar em áreas conhecidamente infestadas por carrapatos no meio rural e silvestre.

- Quando for necessário caminhar por áreas infestadas por carrapatos, vistoriar o corpo em busca de carrapatos em intervalos de 3 horas, pois quanto mais rápido for retirado o carrapato, menor serão os riscos de contrair a doença.

Barreiras físicasCalças compridas com parte inferior por dentro das botas e fitas adesivas dupla face lacrando a parte superior da bota. Recomenda-se o uso de roupas claras, para facilitar a visualização dos carrapatos.

Não esmagar os carrapatos com as unhas, pois com esmagamento pode haver liberação das rickettsias que têm capacidade de penetrar através de micro lesões na pele. Retirá-los com calma através de leve torção, para liberar as peças bucais.

Rotação de pastagensAparar gramado o mais rente ao solo, facilitando assim a penetração dos raios solares.

Controle químico nos animais domésticos, através banhos estratégicos de carrapaticidas.

Leia mais sobre febre em:

O termômetro ideal para medir a febre
Febre: entenda o que é e saiba como reconhecê-la




Veja mais textos e informações úteis em nosso Blog sobre a saúde infantil - http://saudeinfantil.blog.br/

TOPO DA PÁGINA