Sabará entra no clube de hospitais de transplante

No dia 27 de agosto de 2017, Gustavo recebeu seu tão esperado rim. Desde que nasceu, o pequeno tinha uma insuficiência renal, causada por um defeito congênito no sistema urinário. Na maternidade, já começou a ser acompanhado pela equipe da Dra. Maria Cristina Andrade, nefrologista do Sabará Hospital Infantil. Gustavo chegou aqui ainda bebê, passando por diversas cirurgias. No início deste ano, foi incluído no programa de diálise peritoneal domiciliar, onde a família aprende a fazer a diálise e depois é encaminhada para casa, junto com os materiais necessários, para continuar o tratamento.

Para ser candidato a um transplante, Gustavo precisava chegar a 10 kg. Depois de atingir esse peso e passar por um processo burocrático, o pequeno entrou na fila de transplantes em abril. Segundo o Dr. Nelson Horigoshi, Gerente da Unidade de Terapia Intensiva do Sabará, no caso das crianças, a fila costuma demorar mais, pois é necessário que o órgão transplantado seja de uma criança também. Foram cerca de quatro meses para que sua vez chegasse. “Foi uma espera angustiante, uma ansiedade sem tamanho. O que a gente mais queria é que aparecesse esse órgão para dar uma qualidade de vida melhor para ele”, conta a mãe, Janaina.

Quando finalmente recebeu a ligação informando que o órgão estava disponível, Janaina ficou muito emocionada. “Contei para o Gustavo que o papai do céu tinha enviado um presente para ele, um rinzinho”, lembra.

 

O transplante

“O transplante é a melhor terapêutica. Melhora a qualidade de vida e aumenta a sobrevida dessas crianças”, lembra a Dra. Maria Cristina, que reforça a importância de incentivar a doação de órgãos. Uma família desconhecida, num momento de extrema dor por ter perdido um filho, autorizou a doação de seus órgãos, dando uma nova vida ao Gustavo.

A equipe de Nefrologia Pediátrica do Sabará Hospital Infantil é referência nacional em processos dialíticos (terapia de substituição da função renal) agudos, sendo um dos poucos centros do país a realizar diálise através do método PRISMA, inclusive em recém-nascidos. O grupo de transplante renal foi comandado pelo Dr. José Osmar Medina Pestana, maior referência do País em transplantes renais e a cirurgia foi comandada pelo Dr. Bruno Leslie, ex-fellow do Hospital for Sick Children em Toronto, no Canadá.

O rim enxertado respondeu muito bem ao transplante, rapidamente já estava funcionando. Uma semana após a cirurgia, Gustavo já foi para casa iniciar uma nova fase em sua vida. O pequeno ainda está em tratamento pós-transplante no nosso Centro de Excelência.

Gustavo está enfrentando com muito sucesso essa fase pós-transplante e alta carga de imunossupressão para evitar rejeição do órgão. Ele não precisa mais submeter-se a procedimentos de diálise todas as noites como acontecia antigamente, nem submeter-se a uma dieta restritiva que comprometia bastante sua qualidade de vida. Em dois meses, Gustavo já cresceu 1 centímetro. “O transplante vai permitir, a longo prazo, que ele se desenvolva mais em relação a altura e peso”, conta a mãe. Uma nova perspectiva de desenvolvimento e qualidade de vida se abriu.

 

Hospital de classe mundial

Para realizar transplantes, qualquer hospital precisa de um credenciamento pelo SNT (Sistema Nacional de Transplantes), do Ministério da Saúde. O Sabará Hospital Infantil já tinha essa autorização. Com o caso do Gustavo e transplante iminente, as equipes do Centro Cirúrgico e da UTI foram preparadas para realizar com sucesso o que seria o primeiro transplante do Sabará, além de providenciar o equipamento necessário.

“No Centro de Excelência do Sabará, existe um ambulatório de pré-transplante que está aberto para qualquer paciente. Médicos de todo o país podem encaminhar seus pacientes para o ambulatório de pré-transplante, onde são avaliadas as condições do paciente antes do procedimento”, explica a Dra. Maria Cristina.

“Apenas os hospitais de atendimento quaternários fazem transplantes, ou seja, os mais completos, que atendem complexidade maior”, explica o Dr. Nelson. Enquanto o pequeno Gustavo recebia um novo sopro de vida, o Sabará Hospital Infantil subiu mais um degrau em sua excelência técnica e reconhecimento na comunidade médica.

Publicado em outubro de 2017

Autor: Mariana Setubal

Atualizado em: 01/11/2017