Por que um hospital exclusivamente pediátrico?

O diferencial de um hospital infantil não está apenas nas paredes coloridas e nas brinquedotecas. Há outros fatores que fazem de um hospital pediátrico a melhor escolha para seu filho, e a maioria deles é invisível.

 

  • Por pensar exclusivamente nas crianças, um hospital infantil está sempre por dentro das últimas pesquisas, traz referências do mundo inteiro e é um dos primeiros a colocar em prática as tendências mundiais em cuidados infantis;
  • Os profissionais que trabalham num hospital infantil só serão contratados se gostarem de crianças, claro. O diferencial dos funcionários já começa por aí. Não apenas os médicos são experientes no cuidado infantil, mas todos os profissionais sabem lidar com os pequenos;
  • Hospital infantil tem experiência com crianças. Experiência significa número e foco – ou seja, num lugar tão focado e por onde passam milhares de crianças por ano há uma concentração de conhecimento;
  • De uma gripe a uma doença rara, o hospital infantil está preparado para atender todas as crianças, com profissionais de todas as especialidades;
  • Criança não é um adulto pequeno. Por mais que você abaixe uma cadeira de adulto, ela continuará alta para a criança. Num hospital infantil, até as cadeiras são feitas pensando nos pequenos – as coisas não são simplesmente adaptadas. Os móveis são desenhados para não machucar;
  • O hospital inteiro é dedicado às crianças. Não dá nem para dizer que elas são prioridade, porque é mais que isso: o espaço é só delas! Todas as instalações são feitas para crianças;
  • O ambiente de internação procura ser confortável e seguro como a casa. Os bebês dormem em berços, por exemplo;
  • O acompanhante tem papel fundamental, já que a criança nunca está sozinha. Os hospitais pediátricos são centrados na família. Um exemplo disso é que os pais ou responsáveis podem ter acompanhamento psicológico;
  • Um recém-nascido exige um cuidado mais que especial, assim como seus pais. Um hospital pediátrico está preparado para lidar com bebês com dias de vida;

    

  • Os equipamentos, como o Raio X, por exemplo, estão calibrados para as crianças. Da mesma forma, o hospital tem instrumental cirúrgico próprio para elas;
  • O Centro Diagnóstico disponibiliza exames raramente encontrados em hospitais gerais;
  • Dependendo do tipo de exame, quando a criança é muito pequena e não consegue cooperar, ele é realizado sob anestesia ou em centro cirúrgico. Em relação aos exames laboratoriais, também seguem procedimentos próprios para as crianças, com coleta de menos sangue e coletadores especializados;
  • O ambiente é todo pensado para aliviar o estresse, os medos, as aflições das crianças e de seus pais, com playgrounds, voluntários, contadores de histórias, músicos, artistas, cachorros. Veja também: No que somos diferentes;
  • A sazonalidade das doenças infantis é muito particular. O hospital pediátrico está preparado para isso, tanto do ponto de vista estrutural como de processos;
  • Todo o arsenal de materiais e medicamentos é diferente de uma criança para um adulto. Há controle de um farmacêutico sobre todas as prescrições;
  • A alimentação em um hospital pediátrico tem papel muito importante. Há um lactário e os nutricionistas são especializados em crianças, preparando um cardápio infantil, que não é apenas adaptado com menor quantidade de comida;

    

  • Um hospital infantil tem horários flexíveis na medida do possível. Isso se aplica aos exames, para diminuir o impacto do desconforto do jejum;
  • Qualquer hospital está sujeito a erros. Quando tudo é pensado para o adulto, na hora de adaptar para a criança, a chance de erro pode ser ainda maior. Os hospitais que se dedicam à criança já estabeleceram processos para mitigar esse risco;
  • Um hospital pediátrico costuma ter níveis muito baixos de infecção, pelo próprio perfil de doenças que atende;
  • O hospital age como um bom pediatra: cuida da criança como um todo, entende o que está à sua volta, procura conhecer o ambiente familiar. Medicina não é cuidar só da doença, é todo esse ambiente que cerca uma criança;
  • Uma criança pode ir de pouco doente para doente muito rápido. A equipe de pediatria reconhece os sinais de alerta e pode agir rapidamente, o que é fundamental no tratamento;
  • Há crianças de todas as idades e de todos os tamanhos. Um hospital infantil tem equipamento apropriado para acomodar todas as idades, pesos e tamanhos de crianças;
  • Um anestesista pediátrico é treinado para conhecer os diferentes equipamentos, dosagens e técnicas necessárias para os pequenos;
  • Uma criança pode não ser sempre capaz de lhe dizer o que está errado. Uma equipe altamente treinada no atendimento pediátrico tem as habilidades de diagnóstico e de comunicação para chegar ao coração do problema.

 

Autor: Equipe Sabará

Atualizado em: 13/7/2017