PENSI capacita profissionais do Amazonas para diagnóstico de câncer infanto-juvenil

Com o objetivo de ampliar a capacitação de profissionais da saúde no diagnóstico e acesso à assistência de câncer em oito municípios do Estado do Amazonas, o Instituto PENSI realizará o projeto “Telemedicina para a capacitação e orientação à distância de Agentes Comunitários de Saúde, Médicos e Profissionais do Programa de Saúde da Família para o acesso ao diagnóstico e tratamento de Câncer Infanto-Juvenil”. O projeto é implementado por meio de incentivo ao Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON), do Ministério da Saúde. O Instituto PENSI é o braço de ensino e pesquisa da Fundação José Luiz Egydio Setúbal, da qual também faz parte o Sabará Hospital Infantil.

Uma equipe de especialistas, em São Paulo, será responsável pela elaboração de todo conteúdo educativo e de orientação a ser oferecida via plataforma de Educação a Distância (EAD).

A equipe de especialistas do Sabará Hospital Infantil dará o suporte aos médicos generalistas locais e apoio aos médicos da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), unidade da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), auxiliando-os no diagnóstico e na condução inicial dos casos suspeitos de câncer infanto-juvenil.

A primeira fase de articulação local e divulgação do curso será realizada no dia 22 de fevereiro no Hospital Universitário Francisca Mendes (HUFM), unidade nomeada Centro de Referência da Alta do SUS na Região Norte.

Já na segunda fase do projeto, a equipe de São Paulo estará disponível também para suporte em segundo nível aos especialistas de Manaus para auxílio no encaminhamento e condução terapêutica dos casos confirmados.

 

Impacto

Os municípios contemplados são Eirunepé, Humaitá, Itacoatiara, Lábrea, Manacapuru, Parintins, Tabatinga e Tefé, que foram selecionados porque já participam de outros projetos de telemedicina, dispondo de infraestrutura mínima ao desenvolvimento das atividades propostas.

Nessas cidades, existem 1442 Agentes Comunitários de Saúde (ACS) cadastrados no Ministério da Saúde e cerca de 129 médicos. O projeto pretende capacitar ao menos 90% dos ACS dessas cidades e 75% dos médicos, que atendem cerca de 460 mil pessoas da região. Como 43% da população do Amazonas tem entre 0 e 14 anos, a estimativa da população que poderá ser beneficiada pelo projeto é de 195 mil crianças e adolescentes.

Autor: Mariana Setubal

Atualizado em: 20/2/2018