Reconciliação medicamentosa

O que é

Conciliação ou reconciliação medicamentosa é a análise feita pelos profissionais de saúde do Sabará em relação aos medicamentos usados pelo paciente. Os remédios de uso habitual podem interferir no tratamento realizado no hospital, assim como uma droga pode interferir no desempenho da outra e também influenciar ou ser influenciada pela dieta.

Na prática, funciona assim: todas as prescrições do paciente ficam registradas num sistema para análise da equipe de farmacêuticos, médicos e enfermeiros. Se um paciente já faz uso de um remédio antes de ser internado, deverá trazer a receita ou a própria caixinha para que o médico do Sabará avalie se o tratamento será mantido durante o período no Hospital ou não. Caso decida manter, o medicamento será prescrito no sistema, o departamento de Farmácia do Sabará irá providenciá-lo e a Enfermagem irá administrá-lo. Para a segurança do paciente, é importante que o fornecimento e o controle de todos os remédios sejam feitos pelos profissionais do hospital. Assim evitam-se problemas, como o paciente ingerir a mesma dose duas vezes ou no horário errado, ou um remédio vencido, por exemplo.

 

Quando ocorre

A reconciliação medicamentosa acontece em três momentos: quando o paciente é admitido no hospital, quando muda de unidade e de equipe de cuidadores (estava no Pronto-Socorro e foi internado ou estava na Unidade de Internação e foi para a UTI, por exemplo) e na alta. Na saída do Hospital, o médico avalia quais são os medicamentos que vão continuar a ser administrados em casa e o paciente recebe um formulário com as prescrições.

O Sabará utiliza um sistema de prontuário informatizado, onde todas as informações do paciente são registradas. Para a análise dos medicamentos prescritos, os farmacêuticos contam com uma base de dados especializada para consulta de interações entre medicamentos e entre medicamentos e alimentos. Dessa forma, a equipe de enfermeiros, farmacêuticos e nutricionistas programam o melhor horário de tomada de cada medicamento.

 

Setor de Farmácia do Hospital

O setor de Farmácia do Sabará é dividido em subestoques, formados por Farmácia Central, Farmácia Satélite do Centro Cirúrgico, Farmácia Satélite da Unidade de Terapia Intensiva e Farmácia Satélite do Pronto-Socorro. Todos os subestoques são abastecidos diariamente pela Central de Abastecimento Farmacêutico e pelo Almoxarifado.

O setor trabalha com sistema informatizado para controle de estoque, que dispensa os medicamentos pelo código de barras contendo rastreabilidade (lote e validade) e que permite consultar o fluxo do medicamento desde a entrada da nota fiscal até a dispensação para o paciente.

 

Monitoramento constante

O Sabará conta com uma equipe de farmacêuticos clínicos que monitoram todos os pacientes internados nas UTIs e aqueles provenientes delas que foram transferidos para as Unidades de Internação. Os farmacêuticos também monitoram quatro Unidades de Internação, rodiziadas periodicamente, além de pacientes internados em andares não contemplados pela Farmácia Clínica, mas que estão em uso de medicações específicas (quimioterápicos, Levotiroxina, trombolíticos, Amicacina, Vancomicina, entre outros).

Faz parte da análise de prescrição pelo farmacêutico:

  • checar a indicação do medicamento e dose (de acordo com a idade e/ou peso);
  • via de administração;
  • compatibilidade e interação medicamentosa (droga X droga e droga X dieta – quando pertinente);
  • continuidade da terapia (reconciliação medicamentosa);
  • conferência da evolução médica e exames do paciente.

 

Medicamentos trazidos de fora da Instituição e/ou importados

Todo medicamento prescrito e administrado ao paciente nas dependências do Sabará Hospital Infantil deve ser gerenciado pela Farmácia, portanto, quando o paciente internado faz uso em domicílio de um medicamento que continuará prescrito durante a internação, a Farmácia deve ser acionada.

 

Medicamentos não padronizados

Quando solicitados pelo médico durante a internação, os medicamentos são adquiridos mediante o preenchimento da justificativa médica para essa aquisição, em drogarias ou distribuidoras que disponham do produto.

 

Drogas de Alta Vigilância (DAV)

Medicamentos ou Drogas de Alta Vigilância (DAV) são considerados aqueles associados a um porcentual elevado de erros ou eventos sentinela e que podem apresentar aparência ou nomes parecidos, por esse motivo apresentam maiores chances de ocasionar eventos adversos.

Drogas de Alta Vigilância exigem medidas preventivas especiais de segurança a serem empregadas pela equipe multiprofissional envolvida (médica, farmacêutica e enfermagem) antes da aplicação no paciente.

Leia também: Qualidade e segurança