Psicologia

Desde novembro de 2012, o Hospital Infantil Sabará deu início ao Serviço de Psicologia Hospitalar. O Hospital conta com um Psicólogo fixo na equipe multidisciplinar para atendimento de crianças hospitalizadas nas Unidades de Internação e UTIs.


Objetivo

  • Avaliar a incidência de conflitos psicológicos e de estados afetivos (como a angústia) sobre o quadro clínico;
  • Discriminar gravidade do sofrimento e se o adoecimento da criança/adolescente é a principal origem da conflitiva, ou se ela é anterior ao adoecimento;
  • Intervir sobre situação conflitiva, reinterpretando o lugar da criança/adolescente e do sofrimento;
  • Sustentar processos de simbolização do adoecimento com a criança/adolescente, por meio da fala ou jogos simbólicos (lúdico);
  • Proceder a encaminhamentos, sempre que necessário.

 

Quando demandar a Psicologia?

O Serviço de Psicologia visa atuar sobre o sofrimento psíquico, observável quando sentimentos desproporcionais desorganizam o comportamento esperado da criança, dos pais ou mesmo a dinâmica familiar (Apoio/Intervenção).

Este serviço pode ser também acionado para suporte frente a diagnósticos críticos ou tratamentos invasivos (Prevenção) ou ainda, em casos raros, quando se avalia um risco ao bem-estar da criança (Proteção).

Casos especiais também são foco de atenção:

  • Internação de bebês (0-24m), quando o psiquismo infantil e o laço pais-criança estão em período de formação;
  • Doenças crônicas e/ou de longa permanência (autoimagem da criança e vínculos familiares podem ser seriamente afetados);
  • Casos de adoecimento agudo (UTIs. Risco de desorganização);
  • Casos sem diagnóstico definido (casos que indicam necessidade de um olhar abrangente sobre o adoecimento)

 

Consentimento familiar

Sempre que possível, é muito importante que o médico, com seu conhecimento e vínculo com a família, converse, explique e indique a necessidade da entrada da Psicologia. Parte da confiança que a família deposita no tratamento médico é transferida para este novo profissional, o que colabora para o estabelecimento do novo vínculo e a confiança em sua eficácia.


Quem demanda Psicologia?

Quem prescreve é o médico, mediante indícios de sofrimento psíquico da criança internada e/ou de seu acompanhante. Contudo, toda a equipe de cuidado (enfermagem, fisioterapeutas, fonoaudióloga, voluntários), pode identificar a necessidade de apoio psicológico e comunicar ao médico ou ao próprio psicólogo.


Gláucia Faria da Silva

Psicóloga formada pela PUC-SP (1991), Mestre em Psicologia com a dissertação: Regressão na Gravidez na perspectiva de Freud e Winnicott (2007) e Doutora em Psicologia com a tese: Funções da Tatuagem e da Identificação à luz da Psicanálise Freudiana (2012), ambas pelo Departamento de Psicologia Social do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Pesquisadora do convênio Capes/Cofecub: Estudo comparativo internacional das marcas corporais auto-infligidas à luz do laço social contemporâneo, em parceria com o Laboratoire de Psychopathologie et Clinique Psychanalytique da Université Rennes II (2008-2012).

Psicanalista com formação no Instituto Sedes Sapientiae (2001-2005). Especialista no atendimento de crianças com Distúrbios Globais do Desenvolvimento (Lugar de Vida/ IPUSP – 1994-95), bebês e no atendimento clínico de surdos em Libras.

Coordenadora dos área da deficiência auditiva da pesquisa Pessoas com Deficiência e HIV-Aids: Interfaces e Perspectivas, da Secretaria Municipal da Saúde (2006-2007).

Psicóloga responsável pelo Serviço de Psicologia do Hospital Infantil Sabará (a partir de novembro/2012).


CRP/06: 39275-6
glaucia.silva@sabara.com.br



Entre em contato

TOPO DA PÁGINA