Otorrinolaringologia Pediátrica

Fabrízio Ricci Romano

A otorrinolaringologia é a especialidade médica que cuida de doenças dos ouvidos, nariz e garganta. Tem grande atuação na área pediátrica, já que as crianças frequentemente sofrem com doenças destas regiões. As mais comuns são as infecções de ouvido e de garganta, as obstruções nasais, tosse e rouquidão. Nos atendimentos de urgência são comuns também os casos de sangramento nasal e de corpos estranhos em ouvidos e fossas nasais.

As doenças mais comuns que acometem as crianças na área da otorrinolaringologia e seu tratamento estão listadas abaixo. As doenças congênitas são as que aparecem já ao nascimento. Podemos destacar:

  • Malformações de orelha
    Podem afetar apenas o pavilhão auditivo ou, por vezes, o ouvido interno também. Sempre irão causar alterações auditivas. As correções estéticas costumam acontecer apenas mais tarde, porém é importantíssimo que haja desde o nascimento um estímulo da audição, normalmente com próteses auditivas, para assim, garantir o desenvolvimento correto das vias auditivas na criança.
  • Surdez neurossensorial
    Existem diversas causas para a surdez ao nascimento. Infelizmente, em nosso país a principal delas continua sendo a rubéola durante a gestação. A rubéola é uma doença para a qual já existe vacina, portanto é importantíssimo que toda mulher em idade fértil esteja vacinada contra ela. Em casos de surdez parcial, a protetização auditiva precoce é recomendada para estimular o desenvolvimento auditivo da criança. Novas tecnologias, como o implante coclear também estão surgindo para o tratamento destes pacientes.
  • Atresia de coanas
    As coanas são as aberturas posteriores do nariz, ou seja, na transição entre o nariz e a garganta. Nas atresias, estas aberturas estão fechadas e a criança tem dificuldade para respirar. Se a atresia ocorre em apenas um dos lados, a correção cirúrgica pode ser adiada até o paciente ter mais peso (normalmente 10 kg, ao redor de 2 anos). Porém, se a atresia for bilateral, a cirurgia deve ser feita imediatamente para evitar problemas respiratórios e alimentares sérios (Figura 1a e 1b).
  • Laringomalácia
    Esta condição ocorre quando a criança nasce com as cartilagens da laringe muito "moles". Isto faz com que quando ela inspire, a laringe se feche e impeça a entrada de ar nos pulmões. Muitas vezes o tratamento é apenas de suporte porque com o desenvolvimento a situação tende a se normalizar.

Nos primeiros anos de vida da criança, outras doenças tornam-se mais comuns:

  • Otites médias:
    A otite média aguda é uma infecção do ouvido que acomete praticamente 100% das crianças até os 2 anos de vida (Figura 2). Quase sempre ela aprece após um quadro viral (resfriado, gripe etc) e se manifesta com dor de ouvido, febre e diminuição na alimentação. Caso o número de otites seja muito elevado (mais de 3x ao ano), devem ser buscadas causas que estejam causando estas infecções. As mais comuns são alergia ao leite de vaca, hipertrofia de adenóides e ingerir líquidos deitado.
  • Amigdalites:
    As infecções bacterianas das amígdalas (que ficam na garganta) também são muito comuns na infância (Figura 3). Costumam causar febre alta, muita dor e por vezes, mau-hálito. O tratamento deve ser rápido para se evitar o aparecimento de complicações, como problemas renais ou cardíacos (febre reumática). Em casos em que haja muita recorrência das infecções pode ser necessária a retirada das amígdalas.
  • Rinites:
    As rinites, sendo que a mais comum é a alérgica, costumam aparecer nas crianças ao redor dos 3 ou 4 anos de idade (Figura 4). O causador mais comum é o ácaro, animal microscópico que vive na poeira doméstica. As crianças com rinite apresentam obstrução nasal, muitos espirros, coriza, coceira no nariz e nos olhos. Isto pode levar à alterações no sono e baixo rendimento escolar, o que gera dificuldade de concentração. O tratamento consiste em orientações de higiene ambiental, para diminuir a exposição do paciente ao que lhe causa alergia e lavagem do nariz com soro fisiológico. Quando necessário podem ser usadas medicações antialérgicas, orais ou nasais, e também "vacinas" para dessensibilizar o paciente.
  • Hipertrofia de amígdalas e adenoides:
    Todas as crianças apresentam a partir dos 2 anos de idade aumento das amígdalas e adenóides, sendo que isto, faz parte do desenvolvimento imunológico normal. Porém, em algumas delas este crescimento é exagerado e estas estruturas passam a provocar problemas, como obstrução respiratória, roncos, otites de repetição, acúmulo de secreção nos ouvidos com diminuição de audição, cáries e alterações do crescimento normal do rosto, dentes e palato (céu da boca) (Figura 5a e 5b). Nos casos mais extremos pode ser necessária a remoção cirúrgica das amígdalas e adenóides. Quando há envolvimento dos ouvidos, pode ser necessária também a colocação de tubos de ventilação (drenos).
  • Nódulos vocais:
    Crianças que gritam muito, falam alto, etc, podem desenvolver os nódulos vocais (os famosos calos). Este espessamento das cordas vocais causa rouquidão e às vezes perda da voz. Em casos em que haja alteração da qualidade de vida, o tratamento recomendado é a terapia vocal com um fonoaudiólogo. A cirurgia é recomendada em pouquíssimos casos. Os meninos costumam apresentar melhora espontânea dos nódulos na adolescência com a mudança da voz.

FAQ - Otorrinolaringologia

Quem somos - Equipe Dr. Fabrizio Ricci Romano

Uma equipe médica especializada em otorrinolaringologia-pediatrica composta por:

Dr. Fabrizio Ricci Romano

Possui graduação em Medicina pela Universidade de São Paulo (1997), Residência Médica em Otorrinolaringologia pelo Hospital das Clínicas da FMUSP (2001) e Doutorado em ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2005). Atualmente é médico colaborador do departamento de Otorrinolaringologia do HCFMUSP, atuando em ensino e pesquisa. Tem experiência na área de Otorrinolaringologia com ênfase em Rinologia, atuando principalmente nos seguintes temas: otorrinolaringologia pediátrica, cirurgia do nariz e seios paranasais e pesquisa básica.

A Equipe de Otorrinolaringologia Pediatrica é formada por:

Dr. Bruno de Rezende Pinna
Dr. Bruno Peres Paulucci
Dr. Cassio Varella Antonini
Dr. Gilberto Sitchin
Dr. José Luiz Teixeira Rodrigues
Dr. Luíz Carlos de Melo Barboza Jr.
Dr. Marcio Gutembergue
Dr. Raimar Weber
Dr. Rogério Borgui Buhler
Dr. Salomão Honório de Paula Pereira
Dra. Taciane Brinca Marques Soares
Dra. Daniella Belotto Pupo
Dra. Fernanda Alves Sanjar
Dra. Ligia Elena Silva Ricioli
Dra. Luciana Mazoti
Dra. Luisa Nascimento Medeiros
Dra. Maria Dantas Costa Godoy
Dra. Roberta Borges Novais Petrilli
Dra. Virginia Silva Gomes



Atendimento com hora marcada
Informações e agendamento:

Hospital Infantil Sabará

Av. Angélica, 1987 - Higienópolis – SP

Tel.:(11) 3155-2800

Entre em contato

TOPO DA PÁGINA