Centro de Alergia e Imunodeficiências Pediátricas

Fale Conosco

Tel: (11) 2155-9332/ 2155-9333
Rua Mato Grosso - 306 | Conjunto 1503 CEP: 01302-001 - São Paulo - SP
Horário de funcionamento: das 08:00 as 20:30 de 2a a 6a feira.


 

Alergia em crianças

As alergias representam o grupo de doenças crônicas mais frequente em crianças. Segundo estudos atuais elas parecem estar aumentando de modo preocupante. Vários fatores são apontados como possíveis responsáveis por esta situação, tais como: o modo de vida moderno, que nos põe em contato com alérgenos ambientais; o menor contato com microorganismos que poderiam estimular o sistema imune e gerar uma resposta protetora contra alergia; e a introdução de novos alérgenos potenciais na dieta pela aquisição de novos hábitos alimentares. As alergias podem variar desde um simples incômodo até reações mais sérias, como a anafilaxia.

A anafilaxia é uma reação alérgica aguda, com risco de morte, que pode afetar todo o corpo e que geralmente é provocada por algo ingerido ou injetado. É uma EMERGÊNCIA médica!

Em um primeiro contato com um alérgeno, por exemplo, uma picada de abelha, a pessoa alérgica pode desenvolver um tipo particular de anticorpo conhecido como imunoglobulina E (ou IgE). Este anticorpo se fixa a células do corpo chamadas mastócitos e basófilos.

exemplo de alergia infantil

A próxima vez que o indivíduo é exposto àquela substância, exemplo, veneno de abelha, os anticorpos da alergia ligados às células reagem. A ligação do veneno do inseto aos anticorpos fixados nas células provoca a liberação de várias substâncias químicas, incluindo a histamina, na corrente sanguínea. A reação alérgica generalizada que se segue é chamada anafilaxia. O corpo todo é envolvido. As reações podem ser leves, e só envolver a pele (urticária ou vergões, vermelhidão da pele e coceira generalizada), ou graves (falta de ar e / ou perda de consciência, com perda de pressão arterial).

Em teoria, qualquer proteína é capaz de causar anafilaxia. Entretanto, dentre as causas principais estão os alimentos, medicamentos, veneno de insetos e látex.

Alergia alimentar infantil

Em particular, a alergia alimentar é uma situação que preocupa as famílias, pois pode prejudicar o crescimento e desenvolvimento da criança, além de alterar a rotina da casa.

exemplos de alergia alimentar

Nos EUA, um estudo recente que avalia a frequência da alergia alimentar, relata que 8% dos menores de 18 anos sofrem com este problema, ou seja, quase 6 milhões de crianças e adolescentes. Destes, mais de 1/3 tem quadros graves. O tipo de alimento desencadeante varia conforme os hábitos regionais e, para os americanos, os alimentos mais implicados são o amendoim (25,2%), leite (21,1%) e crustáceos (17,2%).

No Brasil não existem estudos amplos sobre a prevalência exata desta doença na nossa população. Entretanto, em um estudo de 2004, os alimentos mais comumente encontrados em 457 pacientes com alergia em diversas regiões do país foram: peixe (30,2%), ovo (24,5%), leite de vaca (20,3%), trigo (20,1%), amendoim (14,7%), soja (12,3%) e milho (10,9%). O leite de vaca foi o mais frequente em crianças abaixo de 2 anos (26%).

Imunodeficiências na infância

Por outro lado, nosso sistema imunológico também pode ser afetado pela deficiência na produção ou função das células de defesa, caracterizando uma imunodeficiência.

Existem diversos tipos de imunodeficiências, desde a incapacidade de produzir determinada imunoglobulina até mesmo uma ausência total de algumas células de defesa específicas contra vírus, bactérias ou fungos.

Como consequência de uma imunodeficiência, o indivíduo apresenta suscetibilidade a uma série de infecções, necessitando de tratamentos seriados.

Nas imunodeficiências mais graves, a mortalidade no primeiro ano de vida é bastante alta, pois a criança praticamente não tem como se defender de vírus, bactérias, fungos e protozoários.

Fontes

The prevalence, severity and distribution of childhood food allergy in the United States. Pediatrics July 2012.

Sensibilização a alérgenos inalantes e alimentares em crianças brasileiras atópicas, pela determinação in vitro de IgE total e específica Projeto Alergia (PROAL). Naspitz et al. J Pediatr (Rio J). 2004;80(3):203-10

Nosso Centro de Alergia e Imunodeficiências na Infância

Nosso Centro de Alergia e Imunodeficiências é formado por pediatras imunologistas, enfermeira, gastroenterologistas, geneticistas, nutricionistas e infectologistas.

Os testes de sensibilidade são realizados com a retaguarda do Hospital Infantil Sabará, assim como as aplicações de medicação necessárias ao tratamento específico.

 
Conheça nossa equipe

TOPO DA PÁGINA