Impedâncio-pH-metria esofágica

O que é

O exame de impedância intraluminal esofágica permite a identificação dos episódios de refluxos independente do pH. Além de permitir a identificação do tipo de material refluído: líquido, gasoso ou misto, e a altura dos episódios de refluxo: proximal, médio ou distal.

O exame de impedância pode ser realizado junto da manometria esofágica quando se quer avaliar os distúrbios de motilidade do esôfago ou associado à pH-metria esofágica.

A  vantagem da realização do exame de impedância associada ao exame de pH-metria é na identificação dos episódios de refluxo fracamente ácido (pH 4-7), que não são identificados no exame de pH-metria esofágica.

Outra grande vantagem deste exame é permitir a correlação entre os episódios de refluxo ácido e fracamente ácido com as manifestações extradigestivas da doença do refluxo gastroesofágico, como: tosse, rouquidão, apneia e asma.

É indicado nos seguintes casos:

  • Investigação da doença do refluxo gastroesofágico em lactentes;
  • Correlação sintomática dos episódios de refluxos ácidos e fracamente ácidos com os sintomas extraesofágicos (tosse, apneia, asma, otite, laringite);
  • Na investigação da manutenção de sintomas de DRGE (doença do refluxo gastroesofágico) na vigência do uso de medicação antissecretora. Neste caso, o exame deve ser realizado sem que o paciente interrompa o tratamento;
  • Investigação de aerofagia;
  • Crianças submetidas a fundoplicatura.

 

Neste exame, uma sonda de 3 milímetros de diâmetro é introduzida pela narina, sendo posicionada no esôfago, e outro eletrodo permanece fixado à pele do tórax com fita adesiva. A monitorização dura de 18 a 24 horas, período no qual são registrados os episódios de refluxo ácido e fracamente ácido em gravador portátil. É necessário retornar ao Hospital no dia seguinte para retirar o aparelho.

A introdução do cateter de impedâncio-pH-metria esofágica é geralmente incômoda, porém é rápida. Não é necessária a sedação. Após a fixação da sonda, a criança deverá permanecer com o cateter por 24 horas. Durante esse período, o ideal é que a criança mantenha a rotina o mais próximo possível da normalidade. Será solicitado aos pais ou responsáveis que registrem o horário das refeições e os sintomas.

Este exame é realizado somente com pedido médico. Pode ser realizado por crianças de todas as idades. Caso tenha realizado endoscopia digestiva alta, radiografia contrastada do esôfago, manometria e pH-metria esofágica, estes exames devem ser apresentados no dia do exame.
  • Menores de um ano: jejum de três horas.
  • Crianças de 2 a 5 anos: jejum de quatro horas.
  • Crianças maiores de 6 anos: jejum de seis horas.

No dia do exame, recomenda-se que seja dado um banho na criança o mais próximo possível do momento de colocar o equipamento, pois não é possível tomar banho durante a monitorização.

Resultados do exame para pacientes externos

O laudo será liberado após 48 horas do término do exame.

Este exame deve preferencialmente ser realizado sem o uso de medicações para o tratamento da doença do refluxo gastroesofágico (listados abaixo), porém a critério médico podem ser realizados utilizando estes medicamentos.

Medicações utilizadas para o tratamento de refluxo gastroesofágico, como inibidores de bomba de prótons, devem ser suspensos por três dias antes da realização do exame. Esses medicamentos têm nomes científicos como omeprazol, pantoprazol, rabeprazol, lansoprazol e esomeprazol e nomes comerciais como Losec®, Ogastro®, Victrix®, Peprazol®, Pantozol®, Omeprazol®, Gastrium®, Pariet®, Nexium®.

Da mesma forma, os antagonistas H2 e os procinéticos devem ser interrompidos durante os três dias anteriores à pH-metria. Essas medicações têm nomes científicos como cimetidina, ranitidina e famotidina e nomes comerciais como Tagamet®, Antak®, Zylium®, Famox®, Motilium®, Diegesan® etc.

Autor: Equipe Sabará

Atualizado em: 11/7/2017